terça-feira, 19 de setembro de 2017

Onde Estão os Índigos?

Onde Estão os Índigos?



Tenho observado alguns comentários. Algumas pessoas perguntam onde estão os índigos? Dizem, "Eu gostaria de encontrar um dia algum indigo..."

É provável que se essas pessoas frequentam algum lugar de prática espiritual que estejam rodeados de índigos e cristais, já adultos. Afinal nós já estamos na geração arco-íris. Os Millenials são cristais. E eles já estão até com mais de 17 anos. Já não são mais crianças.

Pode ser que essas pessoas estejam esperando que índigos e cristais sejam seres de contos de fadas ou de séries de televisão. Devem acreditar que quando encontrarem vão ver raios saindo do terceiro olho, pessoas que de repente desaparecem e vão para "outra dimensão" (essa quem não é indigo erra bem feio porque vivemos em várias dimensões ao mesmo tempo sem precisar sumir dessa - um vampiro espiritual quis me enganar mas mandou uma dessas que é ridiculamente de quem não entende nada sobre dimensões e ser multidimensional). Ou que são santos que nunca erram, pessoas que flutuam, que raios saiam das mãos. Coisas do tipo.

Na verdade índigos, cristais, arco-iris, ou quem quer que sejam as pessoas da nova era são pessoas comuns. Energeticamente para quem tem uma sensitividade mais aguçada, aí sim, podem sentir uma energia mais elevada e mais limpa. Eu percebo os cristais muito mais leves, muito mais equilibrados e discretos. Muito mais sensíveis e focados no amor puro. Os índigos são mais agitados, mais inquietos, porque estão sempre antenados e querendo mudar as coisas. E tem um pouco mais de indignação, mas com as coisas que estão erradas.

Particularmente, eu AMO a geração cristal. Meus amigos cristais são as pessoas mais amorosas, mais lindas, são presentes de Deus de verdade. São artistas, criativos, cantam, tocam, ou criam coisas, desenham. E são suaves e bondosos. Porém percebem sim o que está errado! E eles defendem as causas. Só não serão tão indignados como os índigos. Sabe aquelas pessoas que dá vontade de abraçar?

São adolescentes de 14 anos que já estão fazendo cursos de terapia holística. Estudantes de medicina que já estão fazendo cursos de terapia holística para complementarem com a medicina tradicional. São os estudantes de medicina que levam música para os pacientes internados.

E os arco-íris... São crianças incríveis. Vejo vários no meu consultório e filhos de amigos e conhecidos. Crianças que com 3 anos já falam inglês sozinhos por verem os vídeos da internet, tem consciência ecológica nessa idade. Crianças que andam com 7 meses. Outro dia no consultório, o meu paciente com 2 anos de idade percebeu que a mãe não estava bem, ele brincava com um sabre de luz verde e dizia "Mamãe tá dodói" e encostava o sabre de luz no pé dela como se estivesse fazendo cromoterapia.

Acreditem. Já estamos aqui faz um tempo.

Poderia ser muito pior. Tudo poderia já ter acontecido da pior maneira, já antes dos anos 2000. Como estava previsto nas profecias.

Mas nós estamos aqui. Só o que pedimos é que se unam no despertar e na construção de um mundo de paz, sem preconceitos.


Ostentação x Abundância

Ostentação x Abundância




Abundância é prosperidade, mas não é só isso. Abundância é ter muito, mas é um ter compartilhado. É a questão do universo ter muito para dar e as pessoas todas receberem muito, sem um ter mais do que o outro, é um compartilhar, não um competir. Ver em "O Paradigma da Abundância".

Ostentação não é sinal de abundância. Ostentação é parecer ter mais do que os outros. É um ter de competição, para mostrar que é mais do que os outros. Ver em "O Paradigma da Escassez".

As pessoas que ostentam querem demonstrar poder e um valor baseados no princípio da escassez. Precisam dizer que são mais do que os outros, que tem mais poder, são melhores. Isso é competição. Isso é consumismo.

Ostentação é o auge da competição. É um vazio de coisas caras demais e desnecessárias.

As pessoas ostentam marcas de roupa, carrões, viagens, casas e mansões.

Entram num círculo de riqueza aparente. Quanto mais tem, mais tem que ter para sustentar esse modo de vida. Acabam por ter de colocar dinheiro nos paraísos fiscais para não pagar impostos. E os paraísos fiscais tem dinheiro de corrupção, tráfico de drogas, tráfico de pessoas, prostituição, máfias, indústria de armas, todos os tipos de crimes.

Geralmente quem se mete com isso tem uma genética reptiliana. Ou se não tem estão fazendo alguma coisa que está desativando o senso de moral (do lobo frontal). O consumo de drogas favorece isso. Já vi adolescentes perdidos nas drogas por problemas de abusos em casa que pensavam apenas em ostentação.

A quantidade de adolescentes se perdendo nisso é assustadora.

Estranhamente de 2002 para cá as músicas falam muito sobre ostentação, seja o rap, o hip hop americano, cantores, atores... E seguindo o rastro deles, aqui no Brasil os funkeiros tem o funk ostentação. O meio da música sertaneja daqui já é ostentação porque a maioria vem das áreas das fazendas paulistas e de Goiania onde matam os bois e maltratam os bois e vacas nos rodeios. Pessoas completamente sem consciência do que fazem. Ainda dormem.

E os adolescentes que curtem esse tipo de coisa - que assistência estão tendo dos pais? Será que conhecem boa música de fato? Será que recebem amor de verdade para partirem para um tipo de coisa vazia e sem sentido? E os pais? Será que são iguais e gostam de ostentar também? Alguns sim. Alguns dão muito dinheiro para os filhos e alimentam vícios até de esposas que compram sem parar.

Vamos parar e pensar. Acordar, despertar. Parar pra pensar, tenho que fazer o que o sistema diz? Pois as músicas e os artistas que falam sobre ostentação estavam ali oferecidos para serem consumidos, catapultados pela mídia. Antes não era assim.

Consumir não pode ser a meta de vida de uma pessoa. O TER ao invés do SER.

Ao mesmo tempo, as pessoas que já não pensam assim tem dificuldade em ganhar dinheiro algumas vezes até para se sustentarem.

Todos precisam vibrar no princípio da abundância, onde tem para todos, não para ostentar. Ostentar é para poucos. Abundância é para todos.

Substitua a crença de ostentação pela crença na Abundância. Isso fará toda a diferença.

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

O Paradigma da Abundância



O que é abundância?

Abundância é a fé de que todas as necessidades serão supridas através de Deus e do trabalho correto. Quem acredita ser merecedor não teme o futuro pois sabe que tudo virá se trabalhar corretamente.

No princípio da abundância, a pessoa pode compartilhar o que é produzido porque sabe que há para todos. Não há necessidade de acumular.

Se há uma produção em excesso, pode-se distribuir em termos de troca e assim há a circulação dos bens, que voltam para quem produziu. Estes produtos baixam de preço e as pessoas mais pobres podem consumir.

Abundância é o décimo segundo chacra aberto, a pessoa percebe que vive para servir os outros ao mesmo tempo que serve a si mesmo. A abundância está em compartilhar. Muitas vezes, tem gente que produz muita coisa ou mesmo a natureza produz muita coisa em um lugar, mas alguém resolve não compartilhar, gerando a sensação de escassez.

O que isso gera?

A cooperação e as trocas, num mundo onde as pessoas podem amar ao próximo sem medo, onde o melhor é o bem comum.

Todos ganham

Num sistema de abundância, todos ganham. A abundância para todos cresce e se auto-gera. Todos se sentem bem.

Apenas amigos

Se todos compartilham, as pessoas podem relaxar e saber que os outros são mais amigos.

Objetivos sem estresse

Os objetivos são cumpridos sem a necessidade de acumular ou ostentar para dizer que é capaz de sobreviver por ser o mais forte.

Compartilhar e admirar

Se as pessoas compartilham, se há o suficiente, para que invejar ou cobiçar o que é do próximo? Há generosidade.

Carinho e amor

Não há motivo para raiva e ódio se há abundância e cooperação, se todos ganham.

Respeito ao outro

Se há respeito ao outro, há o respeito à ética. Geram-se boas surpresas, confiança, amor, carinho, união.

Doação

Há a doação, a generosidade para com o próximo. Não há necessidade de ostentar porque o ter não significa mais superioridade.

Paz e harmonia

Num mundo de abundância, há paz e harmonia entre as pessoas porque tudo o que foi gerado foi a generosidade, o desapego e o amor.

Luz

Com o amor, com a paz, com a cooperação, a luz é gerada.

Em resumo, é uma grande cura para a humanidade viver pelo princípio da abundância.

Cooperação x Competição (Parte 2)

Cooperação x Competição 
(Parte 2)

Cooperação



O princípio da abundância

As pessoas cooperativas operam pelo princípio da abundância. Ver em "O Paradigma da Abundância".

Como é o mundo com a cooperação

As árvores são os seres mais sábios do mundo. Elas  tem as raízes fincadas na Terra e seus galhos e folhas captam a luz solar, transformando terra e luz em carboidratos, a matéria orgânica necessária para a vida. Elas se doam completamente para todos os seres vivos.

As algas também o fazem no mar.

Assim é a ecologia. Os seres vivos criam uma cadeia de interdependência, de cooperação. Muitos podem dizer que  há o topo da cadeia alimentar, só o mais forte sobrevive em regime de competição. No entanto, se há um excesso de matança de alguns animais ou plantas, isso afeta o ecossistema todo. Florestas podem sumir por conta disso. Oceanos, rios e lagos podem morrer.

Uma coisa é a ecologia, outra coisa é o ego, que diz que existe este topo da cadeia alimentar, a espécie mais forte de todas, a mais poderosa, como se isso fosse ótimo. Se assim fosse, o homem que seria o topo da cadeia alimentar não destruiria ecossistemas inteiros como o que aconteceu com a bacia do Rio Doce.

Dentro do princípio ecológico, todos tem o seu papel, todos tem uma importância, mas não que um seja mais importante que o outro. Um rato pode ser tão importante quanto um leão. Ao se julgar que no mundo existem mais ratos e eles povoam todos os continentes, inclusive as cidades, há que se pensar que os leões não são tão importantes assim. Eles não servem de alimento para animais maiores em todos os continentes do planeta.

Como o cooperativo vê o mundo

O indivíduo cooperativo enxerga o mundo como um lugar onde todas as pessoas e seres vivos tem um papel e uma importância igual, independente do poder. As pessoas sempre tem algo a oferecer e a trocar, precisam ser respeitadas de acordo com suas necessidades. Não há necessidade de domínio e controle.

Não existem perdedores e vencedores. Todos tem como contribuir com beleza, arte e amor. Nesta visão, as pessoas mantém o senso de autoestima e de importância sem se sentirem diminuídos por causa de uma prova ou um jogo.

Como o cooperativo se vê

O cooperativo se vê como igual aos outros. Ele está consciente de suas capacidades, não precisa olhar para a sociedade para ser o que é. Não existe melhor ou pior, apenas necessidades. Não precisa inventar que é algo que não é para se dizer forte.

A pessoa cooperativa baseia o seu bem estar no cumprimento do dever, na compreensão e acolhimento. O cooperativo pode ser mais verdadeiro consigo e com os outros.

Como o cooperativo vê os outros

Ele respeita as diferenças e compreende que cada um tem características próprias que são importantes no tempo certo e no lugar certo. Há muita empatia, compreensão, respeito, paciência para com os outros.

O amor flui em todos os campos, pois há respeito pelas pessoas. Há liderança compartilhada, onde as pessoas são respeitadas e há colaboração entre as pessoas para planejar as metas.

Se há respeito pelos outros, há também melhor conservação das relações e relacionamentos. Há relacionamentos mais verdadeiros pois existem trocas e acordos.

Pessoas que crescem em um ambiente cooperativo conseguem se adaptar melhor à sociedade, possuem uma auto-estima boa e auto-confiança para se realizarem.

Amor e cooperação

Dentro de um grupo de pessoas cooperativas, há apenas o amor entre todos, pois há respeito e segurança. O respeito não vem porque tal pessoa é campeã em alguma área. O respeito vem apenas pela pessoa ter nascido.

O amor vem do respeito às diferenças.

Humildade e altruísmo

Mesmo que a capacidade de uma pessoa cooperativa seja muito grande, com humildade e altruísmo essa capacidade é empregada para ajudar as pessoas e não para autopromoção.

Ouvir os outros, ter empatia, enxergar os outros é a base da cooperação. Compreensão e carinho, gentileza.

Admiração e Satisfação

Admiração sem idolatria e sem inveja tem lugar porque se há um senso de respeito e amor, há também a consciência de que aquilo que a pessoa quer ela vai alcançar, que não é o privilégio de alguns seres que pensam ser superiores.

Desapego e Compartilhar

Se as pessoas estão trabalhando em prol de um grupo, compartilhar é muito mais importante do que competir. Como não há falta, o desapego também acontece porque faz parte do compartilhar.

Cumprir a missão

O objetivo da pessoas cooperativa não é ganhar para ser melhor do que os outros. É simplesmente cumprir a missão, apenas realizar. Não é ficar parado mas também não é tomar do outro para realizar.

Ética

A pessoa cooperativa vai obedecer a ética porque ética é respeito ao próximo. Não há necessidade de quebrar a ética (respeito ao próximo) para conseguir cumprir a missão. Principalmente se essa missão é com a humanidade.

Realidade

A cooperação é um conceito que coloca a pessoa com os pés na realidade, no cumprimento dos deveres, na missão ao invés de agir através da ilusão, da fantasia de que a pessoa precisa ser mais do que os outros ou ter mais do que os outros.

Agindo nessa ilusão, perde-se muito tempo, dinheiro, energia em coisas que não são necessárias e acabam sendo desperdiçadas.

Não há necessidade de contar vantagem, de dizer algo que não é para parecer melhor ou maior que os outros. A pessoa pode ser o que é, com suas falhas e seus acertos.

Genética

Uma pessoa cooperativa vai agir para cumprir o objetivo. A área do cérebro que é acionada para isso é o sistema nervoso autônomo e a área insular.

Quando há um objetivo em grupo para ser cumprido, outras áreas do cérebro também atuam, o córtex orbito-frontal.

A dopamina e a serotonina aumentam se um objetivo é atingido.

Mas o interessante é que a testosterona aumenta se a pessoa é estimulada a atingir um objetivo, porém baixa se o objetivo não é conquistado ou se alguém ataca uma pessoa do mesmo grupo. O cérebro entende isso como uma perda coletiva.

A testosterona não está presente somente nos homens, as mulheres também tem testosterona. Um nível baixo de testosterona pode até levar à depressão.

É por isso que dentro de um grupo onde um ataca o outro, o astral fica baixo, as pessoas ficam desanimadas. Afinal, quem se anima a fazer alguma coisa se logo alguém vai vir para rebaixar e atacar?

LINKS DE PESQUISA
The neural bases of cooperation and competition: an fMRI investigation 
The Winner Effect: How Success Affects Brain Chemistry
A ilusão da Competição e as bênçãos da Cooperação - manual de uso!


Cooperação x Competição

Cooperação x Competição

Competição



O princípio da escassez

A pessoa competitiva opera como se vivesse pelo princípio da escassez. O que é o princípio da escassez? (Veja em "O Paradigma da Escassez")

Como o mundo se comporta com a competitividade

O mundo da terceira dimensão (ver em "Descrição da Terceira, Quarta e Quinta Dimensões") é um mundo altamente competitivo. Tanto que as pessoas mais competitivas sempre obtiveram maior destaque e sucesso em muitas áreas daquela sociedade. Pessoas que lidam com mercado de ações, esportistas, líderes no geral ou qualquer profissão que requeira alta performance, dão vazão à competitividade.

No entanto, um mundo competitivo pode ser muito cruel e fazer com que as pessoas que não se enquadram num padrão de excelência tenham baixa auto-estima e se sintam rejeitados pela sociedade.

No esporte, fizeram ainda algo mais cruel. Aqueles que são aceitos como vencedores são apenas os três primeiros colocados. Os outros que restam choram e se sentem rejeitados como se não valessem nada.

Os narcisistas, os sociopatas e os psicopatas tem perfis que se encaixariam na competitividade e na frieza que o mundo competitivo exige.

Como o competitivo vê o mundo

O mundo para uma pessoa competitiva é um lugar hostil, cheio de inimigos e ela precisa sobreviver naquele meio, precisa derrotar os seus inimigos e ser o líder do grupo. É um mundo de guerra, um campo de batalha. Este mundo de hostilidade e inimizade, luta, briga é o da terceira dimensão. Ver em "Descrição da Terceira, Quarta e Quinta Dimensões".

Como o competitivo se vê

A pessoa competitiva ou acredita que é menos do que os outros e para isso lança mão de um mecanismo compensatório para esconder a fraqueza. Pode mentir e dizer que fez uma faculdade no exterior quando não sabe nem a língua do local da faculdade e nunca foi naquele país.

Ou então acredita que é superior e trata com desdém os outros que não se destacam em nenhum campo ou que são diferentes dele.

De todas as maneiras, a pessoa competitiva baseia-se sempre no que é externo para adquirir uma identidade. Está sempre se comparando aos outros. E pensa que o que ela é, o que a identifica é o campo onde ela acreditar ser mais do que os outros. O que ela gosta nestes casos é da dopamina produzida pela euforia de ganhar, ser superior aos outros.

Como o competitivo vê os outros

A pessoa competitiva vê os outros como competidores e inimigos. Alguns que são altamente competitivos elegem um ou outro para amigo, enquanto o restante são seus inimigos. Ou são seus vassalos. Alguns são tão competitivos que os "amigos" com quem anda na verdade são tratados como vassalos do rei, que fazem tudo pelo "líder". A personalidade do rei e seus vassalos é bem manipuladora.

Além disso, se é competitivo patológico, não consegue tolerar o defeito dos outros, fala mal, fala com desprezo (exemplo - a personalidade dele do eneagrama é a perfeita e a dos outros sempre é ruim). Se é assim, como pode gostar dos outros?

O grupo para as pessoas competitivas será um grupo que vai competir com outros grupos. Não conseguem enxergar um objetivo mais construtivo, mais pacífico. Pode até ser um grupo com objetivo nobre por exemplo reciclagem, no entanto se as pessoas ali são competitivas vão querer ser "o grupo que faz  mais reciclagem ou a melhor reciclagem". Ou mesmo se alguém dentro do grupo é uma pessoa altamente competitiva vai querer ser líder do grupo e ter o poder de mandar nos seus vassalos.

Dentro de uma família, irmãos podem ser muito competitivos entre si porém isso causa muitos problemas. Mas a competição pode acontecer entre primos, entre todos.

Para a pessoa competitiva, namorados, marido e esposa precisam ser o que é aceito pela sociedade.  Tem gente que arranja casos extraconjugais por sexo que não seria aceito pela sociedade ou por cobiça em relação a homem ou mulher que tem algo que eles acreditam que a esposa ou marido não tenham. Como nunca estão satisfeitos com o que tem e na verdade não gostam dos seus cônjuges, qualquer desculpa será dada para a traição.

Pais competitivos colocam os filhos para competir desde cedo. Exigem que não percam, mesmo que estejam machucados e com dor, vão querer deixar com dor se aquilo é interpretado como "auto-sabotagem" durante uma competição.Alguns chegam a xingar os filhos se perdem. Outros repreendem.

Filhos com problemas de saúde ou com síndromes terão sérios problemas com aquele tipo de pais. Há casos de pais tão competitivos que chegam a querer que um filho com problema estrutural que não permite falar direito fale outras línguas fluentemente por exemplo. E o resultado não é bom, o resultado pode ser depressão, baixa auto-estima, surtos psicóticos. Muitos destes pais vão exigir de seus filhos excepcionais que tenham destaque em algum setor.

Nos grupos espirituais, o competitivo vai pensar no que é mais evoluído espiritualmente. Vai querer fazer o método mais poderoso de cura, vai querer ser o melhor médium de todos, vai querer ser o pioneiro que vai levar um método de ensino de algo que ele julga ser mais evoluído espiritualmente que todos para outros lugares. Portanto, existem pessoas competitivas dentro do meio espiritual que acreditam que fazem métodos holísticos e são melhores que os médicos em geral ou outros profissionais de saúde, querem ser famosos e terem destaque, ter poder sobre os outros.

O que é o amor para uma pessoa competitiva?

Se o competitivo precisa sempre ser melhor que os outros e para isso precisa sempre dizer que os outros são piores, ou seja, se os outros precisam se sentir mal, então ele não sente amor genuíno pelas pessoas. Já vi uma pessoa competitiva tratar mal outra que seria amiga porém sempre competiu com ela. Depois quando esta amiga poderia ganhar num determinado esporte se ela fizesse uma dupla, a pessoa competitiva queria que ela fizesse dupla com ela, só para ganhar naquele esporte.

Amor para uma pessoa competitiva é como ter que ver a pessoa que ela escolhe como amigo como tendo algum poder ou podendo ser melhor do que os outros em alguma coisa. Geralmente se dão bem com outras pessoas competitivas, ou então que tem destaque em alguma coisa. Ou então escolhem as pessoas que podem trazer algum benefício para ela.

Mas se é uma pessoa diferente deles, irão criticar e desaprovar sua maneira de ser, no fundo se enxergam como superiores a estas pessoas.

Tudo isso é uma máscara para as outras pessoas acreditarem que a pessoa é bem sucedida perante a sociedade.

Orgulho e Egoísmo

"O orgulho afasta as pessoas de Deus, porque o ser humano orgulhoso não aceita conselhos e se ouve alguns, tenta achar um meio de mostrar que sabe mais do que os outros.
A pessoa orgulhosa acha que não precisa de ninguém para resolver seus problemas. Aquele que quer aprender gosta que lhe digam quando está errado; o tolo não gosta de ser corrigido."
(Provérbios 12 v.1)

O competitivo tem que ganhar até nas discussões e precisa saber mais do que todo mundo. Ser superior e ter que estar sempre por cima é orgulho e egoísmo. É muito difícil conviver com o dono da verdade.

O orgulhoso não ouve ninguém. Não quer enxergar os próprios erros. Ele pensa que sabe mais do que todo mundo.

Inveja e Cobiça

A pessoa competitiva sempre se compara com os outros. E quando faz isso, se o outro tem alguma coisa ou faz algo melhor do que ela, tende a querer o que o outro tem e muitas das vezes deseja o mal para quem tem mais do que ela. Eles nunca estão satisfeitos com o que tem pois precisam sempre ter mais do que os outros.

Ciúmes

Muitos competitivos apenas se comportam como bonzinhos porque sabem que se chamarem muita atenção não serão bem vistos pelos outros. Mas bem que queriam ser sempre o centro das atenções, principalmente se querem o poder e se querem se destacar acima dos outros.

Vaidade e Egolatria

Mas é claro que o competitivo será vaidoso. No entanto, não é uma vaidade de estar belo, mas uma vaidade de ser melhor do que todos e ser seguido por todos. E é claro, o competitivo vai querer exibir a conquista para todos. Para que digam o quanto ele é poderoso.

Ambição sem limites

Pode ser uma pessoa que se exibe com um carrão ou algo material.

Mas será que necessariamente a pessoa competitiva precisa se exibir em termos de recursos materiais? Não. Existem também muitas pessoas competitivas dentro do meio espiritual (competição de mediunidade ou conhecimentos esotéricos por exemplo), dentro das terapias alternativas.

O competitivo pode ter a ambição de ser a pessoa referência em tal método de cura, deseja fama, poder através disso. Pode querer conquistar o mundo com algum método, podendo ser apenas um método de ensino. Pode querer esta grandiosidade para esconder uma insegurança de não ter a graduação acadêmica que seria necessária para estar naquela posição. A pessoa pode mentir que estudou fora sem saber a língua do local.

E quando vai concretizando isso, começa a querer mais e mais. Pode começar a pensar que pode tudo e é capaz de tudo, porque tem poder ilimitado. Acha que com a fama e o poder poderá controlar quem quiser.

Ética

A ética é jogada de lado quando a pessoa competitiva começa a adquirir poder por conta dos objetivos conquistados, pois começa a pensar que é capaz de tudo e portanto pode tudo, inclusive controlar os outros. Nós como seres humanos somos capazes de muita coisa, porém não podemos fazer de tudo, existem regras de convivência e de respeito ao próximo que devem ser obedecidas, de outro modo, a pessoa acaba por ferir o próximo.

É por isso que existe o ditado popular que diz que se você quer conhecer uma pessoa, dê o poder a ela.
Um outro mecanismo de perder a ética é o de eleger algumas pessoas como amigas e os outros são considerados inimigos. Quando tem alguma informação que possa beneficiar ela ou sua amiga, ela passa somente para a amiga e para os outros não passa.

Se ela ou a amiga fazem algo de errado, pode mas os outros não podem. Chega-se a ponto de inventar mentiras para encobrir o que o amigo faz de errado e o que ela fez de errado, mas os outros, a pessoa reprova, ou acaba tendo de aceitar tudo porque já se corrompeu.

Mentiras e Ilusão

A pessoa competitiva, por não saber perder, muitas vezes burla a ética para vencer sempre e assim mente para si e para os outros sobre a sua capacidade. Para conseguir as coisas, muitos fazem jogo sujo.

Muitos contam vantagem e escondem os erros, as derrotas. Ou dizem que são capazes de fazer alguma coisa mas não são. Podem até ter grande capacidade, mas fazem uma imagem bem maior do que realmente são. Muitas vezes utilizam este recurso quando querem seduzir alguém, seja como conquista sexual ou algum cliente ou eleitores.

Outra mentira que a pessoa competitiva inventa é o enredo da própria história em que por mais que tenha perdido, não quer admitir e portanto vai inventar uma história em que ela saia como vencedora.

A manipulação que o competitivo utiliza. Se o competitivo em verdade despreza os outros que são diferentes dele ou que não tem destaque, quando querem que alguém faça alguma coisa para ele (por exemplo, ele se coloca como líder de algum grupo e precisa que as pessoas façam o que ele quer), vai elogiar o alguém, vai dar algum destaque a esse alguém, vai descobrir o que a pessoa precisa ou quer, ou mesmo vai querer saber de suas fraquezas. Cuidado com elogios. Podem ser manipulação e não verdade.

Genética e fisiologia

O cérebro reptiliano é a parte do nosso corpo que comanda os estímulos de luta e fuga. Está localizado na medula espinhal. Lida com instintos primários de sobrevivência e ativa competitividade.

Conforme a pessoa vai evoluindo, vai saindo destes instintos primários e começa a operar mais a nível do sistema límbico e do lobo frontal. O sistema límbico rege as emoções e o lobo frontal é onde está o senso moral do que é certo e errado, importante para o convívio em sociedade.

Há pessoas que possuem uma genética diferente, que faz com que o sistema límbico e o lobo frontal não operem normalmente. Estas pessoas não desenvolvem as emoções num nível normal de profundidade e não tem noção de ética. São frios e calculistas. São os chamados sociopatas, narcisistas e psicopatas. São os reptilianos e os luciferianos. (Ver em "O Cérebro Reptiliano")

A nível molecular, existem algumas substâncias que atuam no cérebro que área de atuação e quantidades diferentes no cérebro de uma pessoa competitiva e de uma pessoa cooperativa.

Algumas áreas do cérebro atuam na função de fazer o ser humano cumprir um objetivo. Estas áreas são o sistema nervoso autônomo (simpático e parassimpático) e a área insular. Quando há o cumprimento do objetivo, a dopamina e as endorfinas são produzidas.

A testosterona também é produzida quando a pessoa está na luta por cumprir um objetivo. Porém se uma pessoa ataca outra do mesmo grupo ou se há uma derrota, a testosterona baixa, porque o indivíduo entende isso como uma perda coletiva. Como um competitivo enxerga a todos como adversários, mesmo estando em grupo é capaz desta pessoa atacar quem esteja ameaçando-a na liderança do grupo. Isso só provoca queda da testosterona e não são produzidas as endorfinas.

LINKS DE REFERÊNCIA

Cooperação x Competição (Parte 2) - Cooperação
O Sagrado Masculino
O Ego Espiritual
A Ilusão do Adultério
O Cérebro Reptiliano
O Paradigma da Escassez

LINKS DE PESQUISA
Como reconhecer e tratar um manipulador
The neural bases of cooperation and competition: an fMRI investigation 
The Winner Effect: How Success Affects Brain Chemistry
A ilusão da Competição e as bênçãos da Cooperação - manual de uso!

O Paradigma da Escassez

O Paradigma da Escassez



O espírito dos índigos e de todas as novas crianças não se sentem de acordo com o tipo de mentalidade arcaica da escassez. Lembro-me de que quando eu e meu irmão éramos crianças, minha mãe nos levou a uma psicóloga porque ela achava que nós não éramos agressivos e sofríamos nas mãos das outras crianças da creche. A psicóloga disse que não existia nada de errado com a gente, que apenas éramos mais cooperativos e não competitivos e que o mundo precisava de mais pessoas assim. Como era difícil sermos índigos, nascidos ainda nos anos 70, sem nos encaixarmos neste sistema agressivo e cruel.

O ambiente era praticamente irrespirável, um sistema competitivo que pisa nas pessoas mais humildes em benefício de apenas alguns.

Hoje em dia em alguns lugares do país (raros eu sei) e de fora existe um clima maior de cooperação, ao menos a nível de sociedade. Existem sociedades mais justas e igualitárias, onde todos vivem com o suficiente, sem ostentar, sem competir, como os países da Escandinávia e o Japão.

Ali, as casas não são muito grandes, mas as pessoas são felizes, tem uma educação e saúde de ótima qualidade. A Suécia é o terceiro melhor país para se parir, pois o parto humanizado já é estabelecido nos hospitais públicos e há uma ampla cobertura de enfermeiras obstetras do sistema público no acompanhamento pré-natal.

As escolas construtivistas prezam por uma educação mais cooperativa por isto. Não há mais lugar para exclusão onde apenas os primeiros lugares são contemplados.

O que é escassez?

Tudo começa pelo medo, pela ansiedade (temor do futuro). Por que o homem teme o futuro? Por não acreditar que merece o amor de Deus, não acreditar que Deus provê tudo ao homem. Por falta de fé. (Ver "Merecimento")

A escassez é o medo de que faltem os bens materiais de sobrevivência, que não há para todos.

As pessoas vivem no medo por não confiarem que Deus provê tudo o que o homem precisa. A fé consiste em confiar em Deus, que Deus proverá de tudo se o homem trabalhar corretamente.

O homem passa a trabalhar mais ainda e passa a criar estoques. Claro que não há problema em criar estoques para conseguir suportar um inverno rigoroso e também não há problemas em estocar porque houve uma produção tão grande que gerou excessos.

O problema começa quando para a criação do estoque, o indivíduo retire de circulação os produtos para que não sejam gastos, por medo de faltar depois.

Quando isso acontece, há falta de produtos para as pessoas consumirem, aumentando os preços dos mesmos.

Se há o aumento dos preços, há exclusão das pessoas que não podem pagar por mais. E se há pessoas que não podem consumir aquele produto, a ideia de que não há para todos.

O que isso gera?

A competição pelos bens materiais e por tudo o que favoreça ao indivíduo que ele se sobressaia e consiga sobreviver num meio hostil onde tudo falta. A competição pode ocorrer também não só pelos bens materiais, pode acontecer até nos meios espiritualistas e religiosos (ver "O Ego Espiritual").

Ganhar ou perder

Se há alguém que perde, há sempre alguém que é ferido. E quem ganha sempre fere alguém que perde. Muitas vezes as pessoas que vivem na mentalidade competitiva não aceitam perder.

Inimigos e adversários

Num sistema assim, todos são inimigos em potencial. As pessoas vivem tensas, estressadas e com medo de inimigos.

Ganância e ambição

Tornam-se gananciosas, ambiciosas, apenas para poder assegurar que conseguem sobreviver.

Cobiça e inveja

Entregam-se à cobiça e invejam o que é do outro para garantirem que são melhores do que os outros, que são os mais fortes dentro do sistema de sobrevivência.

Raiva, ódio

Por se compararem com os outros, tendo inveja, começam a se frustrar. A frustração leva à raiva. O agredir os outros leva ao ódio.

Falta de ética

Como tem inveja, pensam em tomar o que é do outro, violando o respeito ao próximo e assim violando a ética. Ao violar a ética, o respeito ao próximo,  gera-se decepção, mágoa, rancor, medo, desconfiança, raiva, ódio, separação.

Ostentação

Precisam ostentar para dizer que tem poder e que tem mais capacidade de sobrevivência. A ostentação já é uma agressão porque a pessoa já tem demais e falta para o outro.

Guerras e brigas

As guerras nada mais são do que brigas, disputas, competição por bens materiais.

Trevas

As trevas são geradas através de tudo o que foi citado acima.

LINKS DE REFERÊNCIA

O Cérebro Reptiliano
Cooperação x Competição
O Ego Espiritual
O Sagrado Masculino
O Paradigma da Abundância

Merecimento

Merecimento


O que é merecimento?

Merecimento é algo conquistado por mérito.

Se nossas ações são boas e fazem o bem para o próximo e para nós mesmos, merecemos coisas boas. Se as ações são ruins, sem fazer o bem para próximo e para nós mesmos, a pessoa não merece as coisas boas pois gera carma.

Esse mecanismo de ação e reação serve para aprendermos o que é bom ou ruim. Serve para distinguirmos o que é o bem e o mal. Serve para além disso, nós conseguirmos passar do que é o mal para o que é o bem através do desenvolvimento das virtudes, o que seria a maneira como nós sairemos da dualidade (Ver "Unicidade e Dualidade").

É também através do merecimento que manifestamos o que queremos.

Crenças e Merecimento

Existem diversas crenças que interferem na manifestação do que as pessoas querem. Algumas dessas crenças são ligadas ao merecimento.

É muito mais fácil para uma pessoa manifestar o que quer se ela acredita que merece tudo de bom e que Deus proverá o que ela precisa.

Porém, se por algum motivo ela não acredita que merece tudo de bom, ela não consegue manifestar o que quer.

Interferência no carma

Uma das crenças ligadas ao merecimento que bloqueiam as curas ou que até impedem pessoas de prescreverem remédios que atuam com a cura quântica é a crença de que se atuar no campo espiritual, a pessoa terá o carma resolvido e assim não estará aprendendo o que veio para aprender.

Ora, se a pessoa chegou naquele determinado método de cura quântica, ela chegou por merecimento. Provavelmente já aprendeu o que tinha que aprender e fez por merecer para não precisar sofrer aquele carma. Portanto, não há impedimento para que um remédio atue para a cura espiritual e as curas espirituais também podem atuar.

Medo

A pessoa pode ter medo da felicidade ou do sucesso por exemplo. Ela pode acreditar que se tiver sucesso e se for feliz, outras pessoas a invejarão e isso pode resultar em algo ruim. Ou pode acreditar que não existe felicidade plena. Tudo isso pode ter sido aprendido de modo errado na família ou mesmo em vidas passadas.

A pessoa pode até ter medo do amor por não ter conhecido o amor de forma plena. Pode ter sofrido abusos e assim sua definição de amor vem com alguma dose de dor.

A pessoa pode ter medo de errar e por isso gerar carmas ruins.

Reconhecimento e receber amor

A pessoa pode bloquear o merecimento por não saber receber amor. Pode mesmo não saber o que é o amor. Pode ter um trauma ligado a isso.

Pode acreditar que tem sempre que estar doando, fazendo caridade e para isso não pode receber nada de volta.

Culpa

A pessoa pode se sentir culpada por ter feito algo que não foi bom para si ou para os outros e por isso acredita que não merece coisas boas. Ou pode se sentir culpada por ter sofrido abusos. Isso é muito comum.

Mágoa

A mágoa surge quando há uma expectative em relação a outras pessoas e isso pode fazer com que a pessoa sinta que tem algo contra outros e por isso não merece coisas boas. Principalmente se acreditar que precisa ser completamente boa para coisas boas acontecerem. Ver "Como limpar as mágoas".

Raiva 

A raiva é proveniente da frustração e da mágoa por alguém ou algo. Isso também faz a pessoa não acreditar que merece coisas boas.

Mentiras

Há pessoas que mentem muito para os outros e para si. Se o que a pessoa deseja se baseia em mentiras, pode secretamente não acreditar que merece coisas boas e por isso nada do que quer acontece. A pessoa pode se sentir uma farsa, como se não fosse o que é de verdade.

Falta de ética

Existem pessoas que não tem noção e querem manifestar coisas que prejudicam outras pessoas. É claro que o universo não vai ajudar. A pessoa pode até conseguir o que quer, porém se prejudicou outros, acaba por perder o que pediu.

Apego

O apego e a avareza acabam por gerar escassez já que não se liga na energia da abundância. Tudo o que gera apego no final acaba por fazer a pessoa perder o que tem.

Vitimização

Crenças de vitimização são muito comuns. Elas bloqueiam o merecimento e consequentemente a manifestação pois quem tem essa crença quer continuar vítima e assim pensa que terá algum ganho secundário.

Pessoas que tiveram doenças e só assim conseguiram a atenção de uma família disfuncional podem achar que precisam estar doentes para obter amor, porém por um ganho secundário. É uma crença de vitimização.

Há pessoas que aprenderam que para estarem perto de Deus, para serem espirituais, precisam ser mártires.

Há pessoas que acham que precisam ser sempre os heróis e que os heróis precisam sempre sofrer para conseguirem o que querem.

Há pessoas que acreditam que a mocinha só é feliz no final e por isso ficam sofrendo até conseguirem o que querem.

A auto-sabotagem é uma crença de vitimização. A pessoa atrai fatos para sabotar o seu caminho para o sucesso porque precisam ser sempre vítimas.

Algumas crenças de vitimização surgem pela incapacidade da pessoa de perdoar os pais ou outras pessoas pelas quais sempre culpam por todos os seus infortúnios. São pessoas que não querem crescer espiritualmente, precisam sempre culpar os outros por tudo.

Ver em "A Próxima Vítima Pode Ser Você".

Abandono e rejeição

Abandono e rejeição geram culpa, ressentimento e vitimização. Pessoas que sofreram rejeição dos pais ou dos criadores ou que tem crenças de abandono ou rejeição por Deus ou a Fonte Criadora, ou mesmo rejeição de outras pessoas que não os pais podem ter um sentimento de que não são amadas e não merecem coisas boas.

Aprendizado e Sofrimento

Acreditar que para aprender é necessário sofrer também é uma crença que precisa ser modificada. O aprendizado pode vir sem dor, com leveza e com amor.

Competição

Há pessoas muito competitivas que acreditam que só podem receber algo se forem melhores do que os outros. Desse jeito, continuam prejudicando outras pessoas e continuam gerando carma. Ver em "Cooperação x Competição".