segunda-feira, 20 de novembro de 2017

DUALIDADE E SÌMBOLOS ESOTÉRICOS

DUALIDADE E SÍMBOLOS ESOTÉRICOS

As Suásticas e o Yantra

As suásticas são símbolos provenientes do hinduísmo, dos gregos e de várias religiões. Simbolizam a prosperidade, as energias positivas. Simbolizam a vitória do bem acima do mal e são utilizadas no festival de Diwali (o Festival das Luzes), na Índia. As pessoas usam roupas novas, fazem símbolos e desenhos no chão com areia colorida e flores, decoram tudo com velas, soltam fogos de artifício e celebram a vitória de Krishna sobre o demônio Narakasura.

Uma foto de Diwali, o ano novo hindu


Aqui neste vídeo uma linda suástica hindu sendo feita com flores para o festival de Diwali.


Uma foto de uma suástica do Diwali feita de areia.


Como fazer uma suástica de Rangoli para o festival de Diwali.


Infelizmente, uma delas ficou conhecida com o nazismo, com conotação negativa. Logo, utilizando uma paródia ao que Bono Vox fez com Helter Skelter dos Beatles em Rattle and Hum, ele disse, "Esta é uma canção que Charles Manson roubou dos Beatles. Nós estamos roubando de volta!!!!" Estamos roubando de volta o símbolo mais auspicioso do hinduísmo e trazendo a paz de volta.


Será que dá para perceber a semelhança entre a suástica girando e uma galáxia se movendo? Não seria um registro do nosso inconsciente estelar que nos fala sobre as forças cósmicas dentro de nós?


Pois as suásticas rodam desta maneira:


Aqui um vídeo que conta a história da suástica.


Este vídeo fala como um pesquisador alemão acreditou que a suástica seria um símbolo dos árias ou arianos. A verdade é que os que querem se dizer superiores vão querer tomar todos os símbolos de prosperidade e de boa sorte de todos os outros povos.

Um outro vídeo que fala sobre a suástica encontrada em objetos neolíticos, em potes de gregos, em chãos de sinagogas hebraicas, em cerâmica cristã, símbolos celtas, em templos budistas e hindus.


Vemos então a suástica nos dois sentidos explicada pelo Budismo Manji.


Suástica é uma palavra que tem origem no sânscrito "Svastika", que quer dizer o mesmo que "Manji" em japonês, que significa harmonia entre os opostos. Ou seja, é o princípio do taoísmo.

A suástica que tem a rotação para o sentido anti-horário (nesta figura é a suástica azul, Ura Manji) é a suástica de Shiva, que fala sobre a energia Yin que seria o intelecto ou força, a claridade dos reinos de diamante no budismo. Shiva é no hinduísmo o deus destruidor dos nossos demônios internos, do nosso trabalho interior.

Ganesha e a suástica de Shiva, o símbolo auspicioso da prosperidade


A suástica que tem a rotação para o sentido horário (a suástica vermelha, Omote Manji) é a suástica de Buda, que fala sobre a energia Yang que seria a misericórdia infinita, o amor do Dharma que penetra todas as coisas. É com a ação da caridade e do amor que andamos pelo nosso Dharma (a libertação do carma).

Buda e a suástica da misericórdia infinita


Obviamente ao ler "Unicidade e Dualidade - Parte I", entende-se que as pessoas que estão ainda nos instintos inferiores levadas pelo egoísmo e pelo orgulho terão as características negativas das energias Yin e Yang. Por isto os nazistas devem ter assumido o lado negativo da energia Yin. Eles estavam sugando as energias das pessoas porque estavam usando o cérebro reptiliano.

É interessante uma sugestão que encontrei de figura de união entre os dois símbolos das suásticas, resultando na figura do Yantra.


O que sugere a união dos opostos, a harmonia entre os opostos ou a dualidade gerando a unicidade do Yantra, que está em chacras acima do coronário e há pessoas que supõem que o Yantra (a representação visual dos mantras - a mandala) seria a representação oriental da Merkaba.


Yantra e Suástica



Shiva e o Yantra (a mandala atrás)


Budistas construindo uma mandala de areia (lembrar da semelhança com o Rangoli hindu)


A Estrela de Davi ou Hexagrama

Este símbolo levaria muito tempo para ser explicado em sua totalidade. Ele está presente não só na religião hebraica, é um símbolo universal presente em diversas culturas e religiões. Este vídeo mostra a suástica e a estrela de Davi num templo hindu.


Neste tópico apenas falarei sobre os elementos e o hexagrama. Como os símbolos de cada elemento (água, terra, fogo, ar e éter) se integram no símbolo do hexagrama ou Selo de Salomão ou Estrela de Davi.

Estes são os quatro elementos e o Éter.


O triângulo invertido com o risco em verde é o elemento terra.
O triângulo amarelo com o risco é o ar.
O triângulo invertido azul é água.
O triângulo laranja é o fogo.

A estrela inteira seria o éter.

O mistério da estrela de Davi pode ser o mesmo mistério do Yantra, que é o resultado das forças opostas contidas nos chacras (os cinco primeiros tem correspondência com os cinco elementos), obedecendo à geometria sagrada e a unicidade. O que seria o correspondente a abrir todos os chacras e conseguir chegar à Merkaba (que seria uma estrela de Davi em três dimensões).

O Pentagrama ou o Selo de Salomão

O pentagrama é um símbolo também universal. Com a ponta para a cima, é um símbolo de ascensão do homem, de proteção contra demônios e diz-se que Salomão tinha um em seu anel, conhecido como "Selo de Salomão". Guarda em si os cinco elementos em diversas religiões e tipos de magia.

Medalha com o Selo de Salomão ao lado da Estrela de Davi



O Pentagrama de Agrippa


O Pentagrama da Wicca e os 5 Elementos


O Pentagrama na Medicina Chinesa e os 5 Elementos


"Jehua Supai" de Pablo Amaringo, xamã da ayahuasca


Perceber no canto direito da pintura de Pablo Amaringo um pentagrama saindo do chão com cores do arco-íris embaixo. Na explicação da pintura, o xamã está no centro e ele adquiriu uma forma sagrada diferente da que temos normalmente (quem sabe seria o corpo de luz). Ali também diz-se que este pentagrama é um símbolo de proteção.

O problema surgiu quando resolveram inverter o pentagrama e usar com a ponta para baixo. Usado deste jeito por escolas de magia negra, o pentagrama tende a atrair negatividade de todos os tipos. Ao ver a imagem do homem em ascensão de Agrippa, percebe-se que ao inverter e colocar o homem de cabeça para baixo, simboliza sua queda. Não colocarei imagens do pentagrama invertido porque este simboliza uma entidade sinistra.

CONTINUAR EM:

VOLTAR PARA:
UNICIDADE E DUALIDADE

DUALIDADE E SIGNOS DO ZODÍACO

DUALIDADE E SIGNOS DO ZODÍACO

Signos e elementos


Cada signo corresponde a um dos quatro elementos água, terra, fogo e ar. Eles obedecem aos opostos dos elementos. Assim, os signos do fogo se opõem aos signos da água. Os signos da terra se opõem aos signos do ar.

Os signos do fogo são áries, leão e sagitário simbolizados pela cor vermelha neste diagrama acima. São pessoas com temperamento forte e centrados em si mesmos. Conseguem resolver os problemas muito facilmente.

Os signos da água são câncer, peixe e escorpião simbolizados pela cor azul claro. São muito intuitivos e precisam sentir tudo, pelas emoções e sentimentos.

Os signos do ar são libra, gêmeos e aquário simbolizados pela cor roxa ou azul escuro. Os signos do ar são muito comunicativos, gostam de se relacionar e são os mais humanos do zodíaco.

Os signos da terra são capricórnio, touro e virgem são simbolizados pela cor marrom. São pessoas mais pé no chão, que acreditam no mundo físico, em tudo o que se pode tocar e sentir pelos sentidos físicos. São preocupados com a sobrevivência e possuem um senso prático.

SIGNOS OPOSTOS

Os signos possuem opostos, que correspondem exatamente ao signo que está do lado oposto da roda zodiacal. Oposição é característica da Dualidade.

Áries é o oposto de Libra. O signo de Áries fala sobre a individualidade. O signo de Libra fala sobre o coletivo.

Touro é o oposto de Escorpião. Touro é a estabilidade, a rotina. Escorpião é a mudança.

Gêmeos é o oposto de Sagitário. Gêmeos tem a tendência de querer saber do que está apenas no presente, coisas mais efêmeras e quer analisar os fatos em todos os seus aspectos. Sagitário quer saber de coisas que sejam eternas e se vê os fatos quer unir ao invés de analisar.

Câncer e Capricórnio são opostos. Câncer quer ficar em casa e Capricórnio quer trabalho.

Leão é o oposto de Aquário. Leão quer o brilho próprio e Aquário pensa no coletivo.

Virgem e Peixes são opostos. Virgem quer organizar tudo e vê os detalhes. Peixes vive num "caos organizado" e está sempre conectado com o todo.

CONTINUAR EM:


VOLTAR PARA:
UNICIDADE E DUALIDADE

DUALIDADE NO MUNDO EMOCIONAL E ESPIRITUAL

DUALIDADE NO MUNDO EMOCIONAL E ESPIRITUAL

A dualidade do bem e do mal é muito vasta. Definir o que é o mal apenas como sofrimento também não dá certo. Afinal, há sofrimentos que aparecem para o bem, há males que vem para bem, para o aprendizado. Podemos pensar assim no conceito de aprendizado para a dualidade do bem e do mal.


Ao lidarmos com a dualidade com relação aos conceitos espirituais e emocionais, o processo é um pouco diferente da dualidade no mundo físico. Esta decomposição conceitual serve para resolvermos nossas questões internas.

A cada vez que deparamos com uma questão, entramos na dualidade. Nossa mente enxerga a situação com as lentes da dualidade, nossos dois olhos (por isto são dois). Esta decomposição serve para organizarmos como se fosse uma “peça de teatro” dentro de nossas mentes, uma novela, um filme.

Alguns dizem que somos espíritos e então resolvemos vir para a terceira dimensão, o mundo físico. Neste mundo, resolvemos assumir papéis, do lado do bem ou do mal. Reptilianos por exemplo teriam topado vir no papel do mal predominantemente (não necessariamente) mais trevoso, também para aprender algo. O resto dos participantes nesta peça teriam a propensão para o bem e para o mal, mas não tão predominantemente para o mal como os reptilianos.

Men In Black e a hora em que os aliens retiram suas máscaras nesta peça


Ao analisarmos esta peça de teatro, precisamos encontrar uma solução para esta questão apresentada pelas nossas mentes.

Nesta hora, se pedimos ajuda ao plano divino para resolver esta questão, aprendemos a resolvê-la do ponto de vista da unicidade, da sabedoria divina, que nos inspira e sintetiza este aprendizado em um conceito da mente divina. 

A questão pode se apresentar como um conflito. Por exemplo, precisamos aprender a perdoar a partir deste conflito. O perdão é o aprendizado da unicidade, o conceito divino, a inspiração divina que resolve a questão, que soluciona e sintetiza o aprendizado e faz parte da unicidade, da mente divina. 

A unicidade seria como um conjunto de conceitos que unem e não separam. São como a tolerância, a paciência, o amor incondicional, o perdão, a compaixão, a cooperação, a integração.

Para aprendermos a sair da intolerância e irmos para a tolerância, precisamos aprender a aceitação.

Para aprendermos a sair da impaciência para a paciência, precisamos aprender a tolerância.

Aqui um vídeo da monja Jetsunma Tenzin Palmo, falando sobre a paciência, sobre como devemos agradecer aos que fazem o papel de maus neste mundo, pois eles nos fazem aprender a paciência e tantas outras coisas.


Para aprendermos a sair do ódio e irmos para o amor, precisamos aprender o perdão.


Para aprendermos a sair da dúvida e caminharmos para a fé, precisamos receber curas e graças.

Para sairmos da frustração para a realização, precisamos da mudança.

Para sairmos da competição para a cooperação, precisamos da ideia de abundância.


Assim vamos aprendendo estes conceitos a partir da vivência diária. As questões se apresentam todos os dias, até que aprendamos a enxergar e resolver tudo com os olhos de Deus, com os conceitos que nos levam à unicidade. É assim que passaremos do mundo da dualidade para o mundo da unicidade. 

Ainda levará um bom tempo até que grande parte da humanidade consiga atingir este grau de compreensão da divindade interna e da unicidade. O mundo da quinta dimensão, da unicidade, ainda levará um tempo para estar na Terra de uma maneira mais efetiva.


Sim, se você já percebeu, os chacras, a Kaballah, todas as religiões procuram fazer as pessoas compreenderem estes conceitos divinos, facilitam esta compreensão, aceleram o aprendizado se compreendidos através dos olhos da humildade.

CONTINUAR EM:


VOLTAR PARA:
UNICIDADE E DUALIDADE

NOSSO CORPO E A DUALIDADE

NOSSO CORPO E A DUALIDADE

A primeira divisão da dualidade em nossos corpos e espíritos veio com nossa separação dos sexos, entre homens e mulheres. Esta divisão faz com que instintivamente e inconscientemente nós busquemos um outro que nos complemente, precisamos do outro para viver.


Almas Gêmeas

Como fomos divididos em sexos opostos, com características próprias, precisamos desenvolver a aceitação, a tolerância e a paciência para com estas diferenças que são tão complementares e tão necessárias para funcionarmos no dia a dia. Os aprendizados das almas gêmeas, dos relacionamentos amorosos, do casamento são dos mais importantes, afinal é a intimidade e o cotidiano que constitui a nossa vida verdadeira.

A Energia Masculina e a Energia Feminina

O segundo chacra é o da dualidade. É o chacra da sexualidade, das energias masculina e feminina do nosso corpo.

O símbolo da dualidade que lida com estas energias é o Yin e Yang, que são as energias feminina e masculina respectivamente.




Para compreender melhor estes conceitos de Yin e Yang, vamos ampliar esta tabela. Em primeiro lugar, vamos retirar este conceito de negativo e positivo, como se o feminino fosse pior do que o masculino. Não é nada disto. São opostos complementares.

Há momentos em que você precisa ser ativo, agir e tomar decisões, mudar, tomar iniciativa. Há outros momentos em que o melhor é simplesmente estar na posição passiva, de deixar a situação passar sem agir, esperar, tolerar, ter paciência. Tudo depende da circunstância em que se vive.

A energia do fogo, do calor (quente), do verão é de movimento e ação, de sair para fora, relacionar-se com o exterior. O sol traz a energia para que os seres vivos se movimentem e cresçam. O dia é o momento em que a nossa vida cotidiana se desenrola. Por isto a energia Yang é vida. Em trabalhos xamânicos mais fortes, quando são realizados de dia, geralmente não há conflitos internos.

A energia da água, do frio, do inverno é a de diminuir o movimento, se resguardar, entrar para dentro de si e fazer o trabalho interior, mudar interiormente. A água se molda passivamente nos recipientes que percorre, passivamente, mas é poderoso solvente que pode furar as pedras mais duras. A energia da lua favorece a espiritualidade, o trabalho interno e a morte dos nossos instintos inferiores pois se trabalhamos para modificar o nosso interior, com o auto-conhecimento, corrigindo nossos defeitos e desenvolvendo nossas virtudes, o que morre dentro de nós são os instintos inferiores; não é morte física e sim a morte do que nos faz mal. Em trabalhos xamânicos noturnos mais fortes, o contato com os conflitos internos ocorre neste período e são resolvidos.

O Corpo Dividido em Energias Opostas

O nosso corpo também foi dividido em metades iguais. Há a crença de que o lado esquerdo do corpo, quando doente, reflete problemas de relacionamento com pessoas do sexo feminino. Doenças no lado direito do corpo, reflete problemas com pessoas do sexo masculino.


Cérebro esquerdo e direito


De acordo com a teoria da dominância do cérebro esquerdo ou cérebro direito, cada lado do cérebro controlaria diferentes tipos de pensamento.

Uma pessoa que se denomina como sendo do cérebro esquerdo (ou masculino) seria mais lógica, analítica, objetiva. 

Uma pessoa que se denomina como sendo do cérebro direito (ou feminino) seria mais intuitiva, emocional e subjetiva.

Note que para complicar, os hemisférios funcionariam do lado inverso do resto do corpo.

Esta teoria surgiu a partir do trabalho de Roger W. Sperry, que ganhou um prêmio Nobel em 1981, mas não por conta desta teoria. Sperry apenas descobriu que quando cortava o Corpo Caloso (que conecta os dois hemisférios do cérebro), ele podia reduzir ou eliminar crises convulsivas em epilépticos.

No entanto, estes pacientes também tinham sintomas colaterais. Muitos dos pacientes não conseguiam mais nomear objetos que eram processados pelo cérebro direito que já ligava os significados às emoções, mas conseguiam nomear objetos que eram processados do lado esquerdo do cérebro. Por conta disto, Sperry sugeriu que a linguagem lógica pudesse ser controlada pelo lado esquerdo do cérebro.

Pesquisas posteriores mostraram que o cérebro não é tão dicotômico como se pensou. Uma pesquisa recente mostrou que as habilidades de matemática são mais fortes quando ambos os hemisférios do cérebro trabalham juntos. Hoje em dia, cientistas sabem que os dois lados do cérebro trabalham juntos para fazer uma variedade de tarefas e os dois se comunicam através do corpo caloso.

O que acontece é que mesmo que um lado do cérebro atue distinguindo tons de voz que revelem emoções, ainda assim as pessoas nos estudos precisam dos dois hemisférios do cérebro para atuar, não há um predomínio de um hemisfério sobre o outro, independentemente da pessoa ser mais ou menos intuitiva.

Um exemplo seria o funcionamento do sistema límbico, que controla parte das nossas emoções. O sistema límbico atua nos dois hemisférios e não em um só e nem predominantemente em um só.


No entanto, os pesquisadores encontraram mais recentemente diferenças nos cérebros de homens e mulheres, mas não de atividade dos hemisférios cerebrais. As mulheres teriam mais conexões entre os dois hemisférios, dando-lhes uma maior facilidade em exercer múltiplas tarefas (será que é por isto a tal da dupla jornada). As mulheres continuam sendo mais emocionais e tem uma memória mais ativa.



Sim, considere as mães que trabalham como deusas. Elas operam no modo multitarefas e parecem ter múltiplos braços, como os deuses hindus.



Os homens tem mais conexões dentro de cada um hemisfério, sem interligar um ao outro. A única parte onde os homens teriam mais conexões entre os hemisférios seria no cerebelo, que é responsável pela coordenação motora. Nada mais justo do que os homens usarem seus músculos para ajudar na família.


Portanto, o termo correto talvez não seja cérebro direito e cérebro esquerdo e sim cérebro feminino e cérebro masculino

Os Olhos

Nós temos dois olhos e um terceiro olho acima dos mesmos, na linha do meio. Os olhos na linguagem espiritual são a maneira como nós enxergamos o mundo, as outras pessoas e a luz do mundo, simbolizando a visão espiritual.  Em um exercício de escaneamento do corpo humano com os sentidos psíquicos em um curso que fiz, uma aluna falou que viu a diferença entre os dois olhos. Um deles apontava mais para questões celestiais, divinas e outro para questões mais terrenas, mais densas.


Os Dois Olhos de Horus o Ancião

Os egípcios perceberam isto através das histórias sobre o Olho de Horus. Muitos não sabem que o olho de Horus eram os dois olhos da face e eram denominados "Os Dois Olhos de Horus o Ancião".


Separados, os olhos tinham significados diferentes.

O olho direito era denominado como Olho de Rá, simbolizava o Sol. Representa a informação concreta e factual. Lida com palavras, letras, números. É a mesma divisão do Yin e Yang do Tao Te Ching. Este seria o olho branco. Este seria o olho sempre intacto, que não sofreu injúria. Este olho seria o mais agressivo e algumas vezes seria associado com a íris da cor vermelha.



O olho esquerdo era denominado Olho de Thoth e simbolizava a Lua. Representa a informação estética, a intuição, as emoções. Este seria o olho negro. O olho esquerdo sofre injúria quando Horus entra em conflito com Seth (que seria a personificação do mal) e foi curado por Thoth, que o fez renascer ou se recuperar do ataque. Quando ele renasce, adquire a cor verde e representa o poder de cura e de renascimento. Assim são os processos xamânicos de cura mais profundos que ocorrem de noite, pela energia da Lua. Comumente é representado com a íris azul.


Olho de Thoth, da Lua, no barco com Thoth, do Templo de Hathor em Dendera

Há uma inscrição que diz "Os dois olhos de Horus, o negro e o branco. Pegue os dois e os coloque na sua fronte para que eles possam iluminar o seu rosto."


"O Horizonte", de um sarcófago de um sacerdote da vigésima primeira dinastia

 O disco luminoso está no meio dos dois olhos nesta figura "O Horizonte". Seria como o terceiro olho, acima dos dois olhos, da visão da dualidade. O terceiro olho conseguiria resolver esta dualidade com a sabedoria divina e se iluminaria a cada vez que este processo termina. Olhar para o horizonte significa olhar para a amplidão, ter uma visão ampla e clara.


Dá para perceber que seria como um triângulo onde os dois olhos são a base, de dualidade e o topo é o terceiro olho, que seria a unicidade, a sabedoria divina, a ligação com Deus? Dizer que Deus está acima do bem e do mal não quer dizer impunidade. Esta frase significa que os conceitos divinos são a resolução dos conflitos dos conceitos da dualidade e estão acima da dualidade, são mais elevados.

São como estes triângulos descritos aqui:



As Mãos

As mãos divididas em esquerda e direita em diversas culturas têm o seu significado.

A Kaballah no Zohar no capítulo da Rosa, fala da mão direita como a que doa, a que perdoa. A mão esquerda é a mão da justiça e do recebimento. Ambas são necessárias e são complementares.


DUALIDADE E ELEMENTOS

DUALIDADE E ELEMENTOS

As tradições xamânicas, o taoísmo, a medicina chinesa, o hinduísmo e a magia celta falam sobre os 4 elementos (alguns falam de 5). Alguns destes elementos são opostos entre si.


O elemento água é o oposto do elemento fogo.

A água significa intuição, dons artísticos, tendência a absorver energias, empatia, instinto maternal, uma pessoa mais emocional, sentimentos profundos, auto-proteção, pessoas que preferem privacidade. Em desequilíbrio, podem ter uma personalidade que se vicia.

O fogo fala de pessoas que são inspiradas, confiantes, que conseguem assumir o controle, tem entusiasmo, são pessoas de ação, divertidas, excitantes, exploradoras e que abrem os caminhos trazendo mudanças. Em desequilíbrio, podem se tornar pessoas muito controladoras.

O elemento terra é o oposto do elemento ar.

O elemento terra é característico de pessoas ligadas mais ao plano físico, são práticas, firmes como uma rocha, que gostam de estabilidade, quando equilibradas vivem no aqui e agora, são muito objetivas, muito pacientes, acreditam no trabalho duro para conseguir sucesso, cumprem as tarefas com uma coisa de cada vez e podem ser muito materialistas se não equilibradas.

O elemento ar é característico de indivíduos mais mentais, analíticos, leves, que precisam de compartilhar suas ideias com o mundo, são escritores, professores, filósofos e intelectualmente estimulantes.

CONTINUAR EM:


VOLTAR PARA:
UNICIDADE E DUALIDADE

DUALIDADE NO MUNDO FÍSICO

DUALIDADE NO MUNDO FÍSICO

A dualidade se manifesta em tudo o que enxergamos e sentimos no mundo físico, porque são conceitos que formamos para entender esta realidade. Como frio, calor; claro, escuro; seco, molhado. 

Quando pensamos no mundo físico, não existe melhor ou pior, certo ou errado. Apenas são conceitos e é como a natureza se configura. Se estamos em um ambiente muito frio, precisamos de calor para manter o equilíbrio e ficarmos bem de saúde. Se o ambiente é calor demais, precisamos de frio para ficarmos bem. Tudo depende das circunstâncias.


É como Lulu Santos em “Certas Coisas”.


CONTINUAR EM:


VOLTAR PARA:
UNICIDADE E DUALIDADE 

O Tao Te Ching e a Dualidade

O TAO TE CHING E A DUALIDADE

O Tao Te Ching ("Tratado do Caminho da Virtude") surgiu na China em 250 a 350 a.C. por Lao Zi. Tem aproximadamente 5 mil palavras e foi encontrado escrito em bambu.


O Tao Te Ching é semelhante à Gênese da Bíblia quando fala que "(...) nomear é a mãe de todas as coisas.", pois a Bíblia diz que no princípio era o verbo, ou seja o "nomear".

Depois, no segundo capítulo, quando o nome é manifestado, começam os conceitos descritivos do que foi criado, em opostos, em dualidade. O símbolo Yin e Yang aparece no capítulo 42 do Tao Te Ching, onde se fala sobre estes opostos complementares.

O objetivo do Tao Te Ching é fazer com que a pessoa consiga se colocar na posição de observador desta realidade e compreendê-la, para aprender a desenvolver suas virtudes a partir destes conceitos, o que seria chegar à unicidade.