terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Características das Novas Crianças por Missão

Características das Novas Crianças por Missão

As classificações são apenas tentativas de conseguir compreender como opera a mente destas pessoas, não são para se fixar e achar que tudo o que sai de um aspecto ou outro já não valida mais nada.

O HUMANISTA

O primeiro é o Índigo Humanista, aquele que está destinado a trabalhar com as massas. São os médicos, os advogados, professores, comerciantes e políticos de amanhã. Eles servirão as massas, são muito hiperativos e extremamente sociáveis. Eles falarão com toda a gente, sempre de forma muito, muito amigável. Têm pontos de vista muito definidos, com um corpo um pouco desajeitado e muito hiperativos.

O humanista gosta muito de ler, pois isto o leva a encontrar informações e fazer ligações em seu cérebro, ativa a curiosidade e vai aumentando mais e mais o raciocínio. Por terem esta missão de exercerem profissões que exigem um conhecimento vasto, precisam ler muito. A leitura distrai e melhora a hiperatividade física (pois sua mente está entretida nos esquemas mentais da leitura).

Este índigo se dará mal na escola mesmo que não seja construtivista? Não. Por esta característica de ler muito vai se destacar na escola e poderá ser um dos primeiros alunos.

Este é Akrit Jaswal, um menino nascido em 1993, indiano de família pobre com pais professores. Ele é um avatar da medicina. Ele é o cirurgião mais jovem do mundo, fez sua primeira cirurgia com 7 anos de idade.



No documentário sobre ele, ele mostra todos os livros de medicina que ele já tinha lido, inteiros. Ele aprendeu a andar e a ler precocemente e lia muito. E era uma criança como outra qualquer, que brincava com todos os seus vizinhos e amigos.

Reportagem da Globo News sobre Akrit Jaswal 


O CONCEITUAL

O Índigo Conceitual está mais interessado em projetos do que em pessoas. Estes serão os engenheiros, projetistas, astronautas, pilotos e militares de amanhã. São crianças muito atléticas. São controladores e a pessoa que mais tentam controlar é o pai se são meninas, ou a mãe se são meninos.

Muitos se dedicam a trabalhar com informática, formam sua própria empresa com amigos sem hierarquia e tem muito sucesso com isto. Podem ganhar prêmios.

Steve Jobs, Budista e criador da Apple



Estão muito ligados ao mundo físico e à energia física. Dar bastante atividade física esportiva pode ser uma solução para a hiperatividade. Os esportes radicais podem ser uma boa pedida. Coitadas das mães que podem sofrer com isto.


O ARTISTA

O Índigo Artista é muito sensitivo e o seu corpo é pequeno, embora nem sempre. Estão mais inclinados para a arte, são muito criativos, e serão os professores e os artistas de amanhã. A qualquer coisa que se dediquem, sempre estarão orientados para o lado criativo. Dentro do campo da medicina, serão cirurgiões ou investigadores; nas artes, serão atores. São os designers, os arquitetos. Os músicos tocam diversos instrumentos.

Novamente, se são designers sairão da empresa antiga tradicional e abrirão um escritório próprio com amigos.

Muitos índigos e cristais que são artistas tem um lado mediúnico que desenvolvem fora das suas profissões.


Os Beatles são da geração que era jovem nos anos 60 e trouxeram diversas mudanças para o mundo, entre elas a abertura do ocidente para as religiões orientais através da meditação transcendental. Falar sobre a geração dos anos 60 é como falar sobre 1968, o ano que nunca acabou.

Outros índigos músicos que querem mudar o mundo:

Bono Vox, sempre ativo politicamente. Salve.


E ainda, Sting e a Rainforest Foundation, sua fundação para a preservação da Amazônia e todas as florestas do mundo.


O INTERDIMENSIONAL

O quarto tipo de Índigo é o Interdimensional. Quando têm um ou dois anos de idade, já você poderá dizer-lhes qualquer coisa, e eles responderão: “Sim, já sabia” ou “sim, sou capaz de fazer” Ou “ não me aborreça”. São eles que trarão novas filosofias e novas religiões a este mundo.


Esta característica é um tanto difícil de explicar. Os interdimensionais sabem que existem outras dimensões por transitarem nelas mais facilmente. Muitos dos índigos e cristais com as outras características também tem esta característica quando estão com a mediunidade aberta. Entrar em outras dimensões facilmente faz com que você consiga enxergar o mundo espiritual com mais facilidade e compreender as fórmulas místicas "ao vivo e a cores". Seria como enxergar as energias, fazer viagens astrais e ver os espíritos, ver como é de fato no mundo espiritual.

Muitos se encaixam nas outras categorias, tem suas profissões normais e nas práticas espirituais vão para outras dimensões e compreendem mais rápido os processos. Numa conversa entre amigos, você descobre que seu amigo também vai para outra dimensão ou sai do corpo com facilidade. Você encontrou um índigo ou cristal e nem sabia. Ver mais em "O Seu Eu Multidimensional e Infinito".

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Trecho de Savitri de Sri Aurobindo

Trecho de Savitri de Sri Aurobindo

Este é um trecho do poema épico "Savitri" de Sri Aurobindo, traduzido para o português, da página 343 (ver esta fonte em inglês: Savitri - Inglês). Dizem que esta parte fala sobre as crianças da nova era (índigos, cristais, trabalhadores da luz).

Abandonando o mancar vagaroso das horas
E o piscar inconstante da visão mortal,
Lá onde o Pensador dorme em meio a muita luz
E o intolerante flameja o solitário Olho que tudo vê em Testemunho
Ouvindo a palavra do Destino do coração Silencioso
No momento infindável da Eternidade
Foi visto do não-tempo os trabalhos do Tempo.
Foram ultrapassadas as formas pesadas da Mente,
Superado o obstáculo do Espaço mortal;


A imagem que se desdobrava mostrou o que estava por vir.
Uma dança gigante de Shiva rompeu o passado;


Houve um trovão como se mundos estivessem caindo;
A Terra estava coberta com fogo e o rugir da Morte
Clamando por ceifar um mundo que a fome fez;
Houve um estrondo das asas da Destruição
O grito de batalha dos Titãs estava nos meus ouvidos
Alarme e rumor mexeram com a Noite armada;


Eu vi os pioneiros flamejantes do Onipotente
Sobre a fronteira celestial que se direciona para a vida
Virem povoando abaixo as escadas de cor âmbar do nascimento;
Primeiros corredores a chegar de uma divina multidão,
Dos caminhos da estrela da manhã eles vieram
Para dentro da pequena sala da vida mortal.
Eu os vi cruzar o crepúsculo de  uma era,
As crianças com os olhos do sol de uma maravilhosa aurora,
Os grandes criadores com grandes sobrancelhas de calma,
Os quebradores das barreiras do mundo
E guerreiros com o destino em suas listas de desejos,
Os trabalhadores das minas dos deuses,
Os mensageiros do Incomunicável,
Os arquitetos da imortalidade.
Dentro da esfera humana decaída eles vieram,
Faces que vestiam ainda a glória imortal,
Vozes que comungavam ainda com os pensamentos de Deus,
Corpos belos pela luz do espírito,
Carregando o mundo mágico, o fogo místico,
Carregando o cálice da alegria de Dionísio,
Aproximando os olhos de um homem mais divino,
Lábios cantando um hino desconhecido para a alma,
Pés ecoando os corredores do Tempo.
Sacerdotes da sabedoria, doçura, grandeza e felicidade,
Descobridores da beleza do caminho solar
E nadadores das enchentes risonhas e fogosas do Amor
E dançarinos com a alegria das portas douradas,
Seus passos um dia mudarão a terra sofredora

E justificarão a luz da face da Natureza.

Espiritualidade

Espiritualidade 


Conceitos

Unicidade e Dualidade
Unicidade e Dualidade (Parte I)
Unicidade e Dualidade (Parte II)
Unicidade e Dualidade (Parte III)
Os Novos Contos de Fadas e a Nova Consciência
Macrocosmo e Microcosmo
Manifestação
Dimensões e Universos
O Seu Eu Multidimensional e Infinito
Mundos e Planetas no Universo
Transmigração Planetária
A Transição Planetária
O Mundo do Futuro

Chacras

Os 7 Chacras
Os Diversos Sistemas de Chacras
Tabela dos 22 Chacras
Os 12 Chacras e a Cura Emocional
Os 12 Chacras e a Caridade
Os 12 Chacras e o Pai Nosso
Os 12 Chacras e os Cristais
As Posições de Yoga e os Chacras
Chacras e Mantras
Chacras e Yantras

Energias

Tipos de Energia
Vampirismo Energético
Como Preservar Sua Energia de Ataques e Vampiros
O Cérebro Reptiliano e o Ego
Receita de Detox de Pessoas Tóxicas
Como Limpar as Mágoas
Microfotos Incríveis das Lágrimas e as Emoções!
Cristais Para Curar Mágoas e Perdas
Como Lidar Com o Luto
A Próxima Vítima Pode Ser Você
Como Ver as Energias e Auras
Como Medir as Energias
Como Limpar as Suas Energias
Como Fazer a Quebra Energética
Como Equilibrar Suas Energias
Como Ser Um Canal de Energias

Mediunidade

Tipos de Mediunidade
Clarividência
Clariaudiência
Clarissensciência
Precognição (Profetizar)
Projeção Astral
Viagem Astral
Telecinese
Tipos de Telecinese
O Chi Gong e a Telecinese
Teletransporte e Merkaba
Sailor Moon e Mediunidade

Música e Espiritualidade

O Universo é Música
O Mantra
O Bhajan
O Experimento das Mandalas de Som

Geometria Sagrada

O Que É Geometria Sagrada?
O Yantra
A Flor da Vida
As Formas Geométricas Perfeitas
Símbolos Esotéricos
O Círculo
O Triângulo
O Quadradro
A Estrela de Cinco Pontas
A Estrela de Davi
Sólidos Perfeitos
As Pirâmides

Nossa Casa

Sua Casa é Você
Como Medir as Energias do Ambiente
Como Limpar as Energias do Ambiente
Como Energizar a Casa
Princípios da Radiestesia
Princípios do Feng Shui
O Sistema do 5S
Luzes e Cromoterapia em Casa
Plantas em Casa
Animais em Casa

Seres da Quarta e Quinta Dimensões, Animais, Plantas e Cristais

Anjos e Arcanjos
Elementais
Guardiões
Animais de Poder
Espíritos Errantes
Espíritos Caídos
Animais e Métodos de Cura Espiritual
Cristais
Cavernas de Cristal e Turmalina Azul Índigo
Cristais Para Curar Mágoas e Perdas

Extraterrestres

Quem são os Pleiadianos
Humanos de Procyon
Os Seres de Sirius
Os Felinos de Sirius
Os Carians
Os Golfinhos

Auto-Ajuda

As Sete Leis Espirituais do Sucesso
Quem Mexeu no Meu Queijo?
O Segredo
O Pequeno Príncipe
A Profecia Celestina
O Poder do Agora

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

A Geração Nova

Nota: 

Índigos, cristais e as novas crianças, as quais são pacíficas, espiritualizadas e querem um mundo mais humano estão reencarnando agora em maior número. Algumas destas crianças estão vindo pela primeira vez neste mundo. 

Os espíritos com propensão ao mal estão também reencarnando em massa agora, são suas últimas encarnações neste planeta, ao contrário das novas crianças. 

É por isto que aparentemente com o aumento da consciência de uma parte da população (pessoas que querem mais espiritualidade, paz, respeito ao meio-ambiente) há também um aumento da violência e do consumismo. Cabe aos que vieram pela paz neutralizarem e minimizarem os danos que os espíritos atrasados quiserem fazer. É como se a população estivesse dividida, é a separação do joio e do trigo.

Se quiser procurar mais reflexões, ler em "Paradigmas e Paradoxos da Transição Planetária".

De "A Gênese" de Allan Kardec

A GERAÇÃO NOVA



27. Para que na Terra sejam felizes os homens, preciso é que somente a povoem Espíritos bons, encarnados e desencarnados, que somente ao bem se dediquem. Havendo chegado o tempo, grande emigração se verifica dos que a habitam: a dos que praticam o mal pelo mal, ainda não tocados pelo sentimento do bem, os quais, já não sendo dignos  do planeta transformado, serão excluídos, porque, senão, lhe ocasionariam de novo perturbação e confusão e constituiriam obstáculo ao progresso. Irão expiar o endurecimento de seus corações, uns em mundos inferiores, outros em raças terrestres ainda atrasadas, equivalentes a mundos daquela ordem, aos quais levarão os conhecimentos que hajam adquirido, tendo por missão fazê-las avançar. Substituí-los-ão Espíritos melhores, que farão reinem em seu seio a justiça, a paz e a fraternidade.

A Terra, no dizer dos Espíritos, não terá de transformar-se por meio de um cataclismo que aniquile de súbito uma geração. A atual desaparecerá gradualmente e a nova lhe sucederá do mesmo modo, sem que haja mudança alguma na ordem natural das coisas.

Tudo, pois, se processará exteriormente, como sói acontecer, com a única, mas capital diferença de que uma parte dos Espíritos que encarnavam na Terra aí não mais tornarão a encarnar. Em cada criança que nascer, em vez de um Espírito atrasado e inclinado ao mal, que antes nela encarnaria, virá um Espírito mais adiantado e propenso ao bem.

Muito menos, pois, se trata de uma nova geração corpórea, do que de uma nova geração de Espíritos. Sem dúvida, neste sentido é que Jesus entendia as coisas, quando declarava: “Digo-vos, em verdade, que esta geração não passará sem que estes fatos tenham ocorrido.”

Assim, decepcionados ficarão os que contem ver a transformação operar-se por efeitos sobrenaturais e maravilhosos.

28. A época atual é de transição; confundem-se os elementos das duas gerações. Colocados no ponto intermédio, assistimos à partida de uma e à chegada da outra, já se assinalando cada uma, no mundo, pelos caracteres que lhes são peculiares.

Têm idéias e pontos de vista opostos as duas gerações que se sucedem. Pela natureza das disposições morais, porém, sobretudo das disposições intuitivas e inatas, torna-se fácil distinguir a qual das duas pertence cada indivíduo.

Cabendo-lhe fundar a era do progresso moral, a nova geração se distingue por inteligência e razão geralmente precoces, juntas ao sentimento inato do bem e a crenças espiritualistas, o que constitui sinal indubitável de certo grau de adiantamento anterior. Não se comporá exclusivamente de Espíritos eminentemente superiores, mas dos que, já tendo progredido, se acham predispostos a assimilar todas as idéias progressistas e aptos a secundar o movimento de regeneração.

O que, ao contrário, distingue os Espíritos atrasados é, em primeiro lugar, a revolta contra Deus, pelo se negarem a reconhecer qualquer poder superior aos poderes humanos; a propensão instintiva para as paixões degradantes, para os sentimentos antifraternos de egoísmo, de orgulho, de inveja, de ciúme; enfim, o apego a tuddo o que é material: a sensualidade, a cupidez, a avareza.

Desses vícios é que a Terra tem de ser expurgada pelo afastamento dos que se obstinam em não emendar-se; porque são incompatíveis com o reinado da fraternidade e porque o contacto com eles constituirá sempre um sofrimento para os homens de bem. Quando a Terra se achar livre deles, os homens caminharão sem óbices para o futuro melhor que lhes está reservado, mesmo neste mundo, por prêmio de seus esforços e de sua perseverança, enquanto esperem que uma depuração mais completa lhes abra o acesso aos mundos superiores.

29. Não se deve entender que por meio dessa emigração de Espíritos sejam expulsos da Terra e relegados para mundos inferiores todos os Espíritos retardatários. Muitos, ao contrário, aí voltarão, porquanto muitos há que o são porque cederam ao arrastamento das circunstâncias e do exemplo.
Nesses, a casca é pior do que o cerne. Uma vez subtraídos à influência da matéria e dos prejuízos do mundo corporal, eles, em sua maioria, verão as coisas de maneira inteiramente diversa daquela por que as viam quando em vida, conforme os múltiplos casos que conhecemos. Para isso, têm a auxiliá-los Espíritos benévolos que por eles se interessam e se dão pressa em esclarecê-los e em lhes mostrar quão falso era o caminho que seguiam. Nós mesmos, pelas nossas preces e exortações, podemos concorrer para que eles se melhorem, visto que entre mortos e vivos há perpétua solidariedade.

É muito simples o modo por que se opera a transformação, sendo, como se vê, todo ele de ordem moral, sem se afastar em nada das leis da Natureza.

30. Sejam os que componham a nova geração Espíritos melhores, ou Espíritos antigos que se melhoraram, o resultado é o mesmo. Desde que trazem disposições melhores, há sempre uma renovação. Assim, segundo suas disposições naturais, os Espíritos encarnados formam duas categorias: de um lado, os retardatários, que partem; de outro, os progressistas, que chegam. O estado dos costumes e da sociedade estará, portanto, no seio de um povo, de uma raça, ou do mundo inteiro, em relação com aquela das duas categorias que preponderar.

31. Uma comparação vulgar ainda melhor dará a compreender o que se passa nessa circunstância. Figuremos um regimento composto na sua maioria de homens turbulentos e indisciplinados, os quais ocasionarão nele constantes desordens que a lei penal terá por vezes dificuldades em reprimir. Esses homens são os mais fortes, porque mais numerosos do que os outros. Eles se amparam, animam e estimulam pelo exemplo. Os poucos bons nenhuma influência exercem; seus conselhos são desprezados; sofrem com a companhia dos outros, que os achincalham e maltratam.

Não é essa uma imagem da sociedade atual?

Suponhamos que esses homens são retirados um a um, dez a dez, cem a cem, do regimento e substituídos gradativamente por iguais números de bons soldados, mesmo por alguns dos que, já tendo sido expulsos, se corrigiram.

Ao cabo de algum tempo, existirá o mesmo regimento, mas transformado. A boa ordem terá sucedido à desordem.

32. As grandes partidas coletivas, entretanto, não têm por único fim ativar as saídas; têm igualmente o de transformar mais rapidamente o espírito da massa, livrando-a das más influências e o de dar maior ascendente às idéias novas.

Por estarem muitos, apesar de suas imperfeições, maduros para a transformação, é que muitos partem, a fim de apenas se retemperarem em fonte mais pura. Enquanto se conservassem no mesmo meio e sob as mesmas influências, persistiriam nas suas opiniões e nas suas maneiras de apreciar as coisas. Uma estada no mundo dos Espíritos bastará para lhes descerrar os olhos, por isso que aí vêem o que não podiam ver na Terra. O incrédulo, o fanático, o absolutista, poderão, conseguintemente, voltar com idéias inatas de fé, tolerância e liberdade. Ao regressarem, acharão mudadas as coisas e experimentarão a influência do novo meio em que houverem nascido. Longe de se oporem às novas idéias, constituir-se-ão seus auxiliares.

33. A regeneração da Humanidade, portanto, não exige absolutamente a renovação integral dos Espíritos: basta uma modificação em suas disposições morais. Essa modificação se opera em todos quantos lhe estão predispostos, desde que sejam subtraídos à influência perniciosa do mundo.
Assim, nem sempre os que voltam são outros Espíritos; são com freqüência os mesmos Espíritos, mas pensando e sentindo de outra maneira.

Quando insulado e individual, esse melhoramento passa despercebido e nenhuma influência ostensiva alcança sobre o mundo. Muito outro é o efeito, quando a melhora se produz simultaneamente sobre grandes massas, porque, então, conforme as proporções que assuma, numa geração, pode modificar profundamente as idéias de um povo ou de uma raça.

É o que quase sempre se nota depois dos grandes choques que dizimam as populações. Os flagelos destruidores apenas destroem corpos, não atingem o Espírito; ativam o movimento de vaivém entre o mundo corporal e o mundo espiritual e, por conseguinte, o movimento progressivo dos Espíritos encarnados e desencarnados. É de notar-se que em todas as épocas da História, às grandes crises sociais se seguiu uma era de progresso.

34. Opera-se presentemente um desses movimentos gerais, destinados a realizar uma remodelação da Humanidade. A multiplicidade das causas de destruição constitui sinal característico dos tempos, visto que elas apressarão a eclosão dos novos germens. São as folhas que caem no outono e às quais sucedem outras folhas cheias de vida, porquanto a

Humanidade tem suas estações, como os indivíduos têm suas várias idades. As folhas mortas da Humanidade caem batidas pelas rajadas e pelos golpes de vento, porém, para renascerem mais vivazes sob o mesmo sopro de vida, que não se extingue, mas se purifica.

35. Para o materialista, os flagelos destruidores são calamidades carentes de compensação, sem resultados aproveitáveis, pois que, na opinião deles, os aludidos flagelos aniquilam os seres para sempre. Para aquele, porém, que sabe que a morte unicamente destrói o envoltório, tais flagelos não acarretam as mesmas conseqüências e não lhe causam o mínimo pavor; ele lhes compreende o objetivo e não ignora que os homens não perdem mais por morrerem juntos, do que por morrerem isolados, dado que, duma forma ou doutra, a isso hão de todos sempre chegar.

Os incrédulos rirão destas coisas e as qualificarão de quiméricas; mas, digam o que disserem, não fugirão à lei comum; cairão a seu turno, como os outros, e, então, que lhes acontecerá? Eles dizem: Nada! Viverão, no entanto, a despeito de si próprios e se verão um dia forçados a abrir os olhos.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Crianças da Nova Era

Crianças da Nova Era


Quem são as crianças da Nova Era?

São pessoas que estão vindo neste século com o propósito divino de trazer a nova consciência a este planeta e ajudar a passarmos para um mundo de paz sem tantas tragédias como as que estariam previstas pelas diversas religiões do mundo. Chico Xavier se referiu a estes eventos como a guerra de extermínio. Mas também falou que o Brasil tem uma missão no mundo de paz e amor e que tudo isto poderia ser revertido.

Muitos vem de outros planetas e alguns estão reencarnando neste planeta pela primeira vez. Alguns tem recordações de vidas passadas em outros planetas. Outros já estão aqui há mais tempo como trabalhadores da luz, como sacerdotes, magos, em vidas passadas em outras civilizações antigas. Muitos são reencarnações de familiares ou possuem algumas reencarnações recentes na Terra e se recordam disto.

Estas pessoas são mais cooperativas e não competitivas. Por serem mais cooperativas, algumas vezes não se dão tão bem no sistema de educação da maioria das escolas de hoje, preferindo as escolas construtivistas. Ver no tópico "Educação das Novas Crianças".

Gostam de espiritualidade, tem consciência ecológica, moral e ética. Possuem mediunidade e uma sabedoria inata (por exemplo, desde cedo eles já sabem o sentido da vida, conceitos sobre o universo como este menino do vídeo). Tem facilidade de compreender e explicar conceitos espirituais complexos. Alguns possuem a capacidade de acessar os registros históricos espirituais da humanidade.


A sua missão no mundo é trazer as curas energéticas e trabalhar como curadores, defender o meio-ambiente, facilitar o conhecimento esotérico e espiritual, trazer à tona a antiga história espiritual da humanidade.


As crianças da nova era e os trabalhadores da luz são uma consciência coletiva. O que um aprende, o outro tem mais facilidade de aprender também.

Muitos pensam que o que está acontecendo seria algo deste tipo:


Calma. O processo não é este. Muita gente acaba por santificar ou achar que estas pessoas são super humanos. Estas pessoas são como todos nós, com problemas e dificuldades. Muitos são e não sabem ou tem parentes e filhos que são. Você suspeita que seu filho é uma destas crianças e quer compreender como cuidar deles? Veja mais em "Maternidade de Crianças Índigo e Cristal: Maternidade de Coração".

Algumas destas pessoas tem inteligência acima da média e outros não. Vários podem ter problemas de saúde e síndromes inexplicáveis.

Para aqueles que querem entrar em contato mais direto com pessoas que são ou foram estas crianças (e hoje são adultos) ou querem aprender mais sobre isto, podem procurar as "Comunidades e Páginas sobre Índigos e Outras Crianças", com páginas do mundo inteiro no Facebook e nos "Fóruns sobre Índigos e Outras Crianças".


Quem falou delas?

Jan Tober e Lee Carroll



Estes dois médiuns americanos são os canalizadores do Kryon. Eles já fizeram palestras e canalizações na ONU. São os autores do primeiro livro sobre crianças índigo. Eles contam neste livro que uma médium americana chamada Nancy Ann Tappe começou a ver crianças com um padrão de aura e energia diferentes, de cor azul índigo e que tinham padrões de comportamento diferentes. Isto foi a partir dos anos 70, em pouca quantidade e depois começou a ver mais a partir dos anos 80.

Gordon Michael Scallion

Gordon Michael Scallion (médium americano) previu a chegada das "Crianças Azuis" como "Aqueles que sabem de onde vem e quem eram."

Allan Kardec
Há pessoas que falam que no último capítulo de Gênese do Kardec que trata de "A Geração Nova" seria algo referente a estes espíritos que vieram para ajudar na transição planetária.

Divaldo Pereira Franco

Dentro do espiritismo do Kardec, Divaldo Pereira Franco fez palestras sobre crianças índigo. Aqui o vídeo da palestra:


Novela "Amor Eterno Amor"

A novela "Amor Eterno Amor" retrata a vida de um índigo (Rodrigo) e uma menina cristal (Clara). Fala sobre almas gêmeas. Fala sobre a vinda dos índigos ao planeta, sua encarnação.


Para ver mais cenas de "Amor Eterno Amor", clique aqui.

Explicação dos personagens da novela no programa Mais Você: Personagens da novela "Amor Eterno Amor".

Novela Jóia Rara

A novela Jóia Rara fala de uma menina diamante. Os diamantes são avatares encarnados, já vem prontos para sua missão, não precisam evoluir. São os novos Lamas, os novos Budas encarnados.

Super trailer de "Joia Rara", próxima novela das 18h da Globo from www.PainelPOP.com on Vimeo.


Sri Aurobindo


Alguns dizem que Sri Aurobindo em seu poema Savitri fala sobre os índigos. Clique em "Trecho de Savitri" para ler o trecho traduzido.

Há pessoas que dizem que Aurobindo tinha uma energia azul no mundo espiritual.

Sri Aurobindo foi um escritor, poeta e  iogue indiano que participou durante um tempo do movimento de libertação da Índia das mãos da Inglaterra. 






Osho

Há um livro com as transcrições das falas de Osho sobre como educar as crianças de hoje, que tem estas características de índigos. Além disso, ele tem diversos métodos de meditação que favorecem a quem tem TDAH.


Médiuns americanos


Vários médiuns americanos tem falado também sobre índigos e cristais e outras crianças, como Doreen Virtue, Celia Fenn, Meg Blackburn Losey, Drunvalo Melquizedek, Dolores Cannon.

Autores brasileiros ou de língua portuguesa



Alguns autores de língua portuguesa tem falado sobre índigos em seus livros. São eles Teresa Guerra (de Portugal), Ingrid Cañete (psicóloga brasileira), Rodrigo Romo (no livro "Filhos das Estrelas").

Para ver o índice inteiro de livros sobre crianças índigo, vá para "Livros sobre índigos e outras crianças".

Classificação

A classificação é apenas um método para entender como são as coisas, não algo a ser seguido à risca.

1) Por energia e tipo de aura

Índigos
Cristais
Arco-íris
Diamante
Safira
Outros

2) Por propósito divino

Esta classificação é baseada no tipo de missão ou propósito divino que estas pessoas tem a cumprir na Terra.

Interdimensionais
Humanistas
Artistas
Construtivistas

3) Por vidas passadas e por processo de ascensão

Crianças das estrelas (Antes de mais nada, vejam este link: PROJETO BLUE BEAM)
Anjos encarnados
Sábios místicos
Elementais encarnados
Otherkin

4) Genes ativados

Muitas pessoas estão passando pela ativação do DNA de 12 fitas que existe no nosso corpo e algumas crianças estão aparecendo com estas características.

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

DUALIDADE E CHACRAS

DUALIDADE E CHACRAS 

Os Nadis

Os Nadis são canais de energias que conectam os chacras. Seriam estes Ida, Pingala e Shushumna.

Ida seria o canal por onde circula a energia passiva ou Apana (energia feminina da lua - novamente, como Yin).

Pingala seria o canal por onde circula a energia ativa ou Prana (energia masculina do sol - Yang).

Shushumna seria o canal central por onde a Kundaliní circula quando a mesma está desperta. Dentro deste canal circulam as três gunas: Satva (Bondade e sabedoria), Rajas (Paixão) e Tamas (Inatividade). Seria como se Rajas fosse o modo da atividade (Yang), Tamas o modo da passividade (Yin) e Satva a sabedoria, a resolução ou unicidade. Quando estas três gunas se resolvem em unicidade, a Kundalini sobe pelo canal Shushumna. (Informações do livro Sat. Chakra Nirupana)


A Cabala hebraica também tem os três canais simbolizados por três cobras (a do meio é alada como no sistema dos chacras e do Cauduceu de Hermes) muito parecido com Ida, Pingala e Shushumna.



Esta figura mostra o próprio Cauduceu de Hermes dos gregos ligado aos chacras. Este é o símbolo adotado pela medicina. Sim, imagine que a face oculta da medicina está ligada aos chacras e à ascensão. Cabe aos médicos se tornarem mais integrais em suas condutas e ligarem o mundo emocional e espiritual ao físico.


Na Alquimia, o sol e a lua também representam os mesmos simbolismos do Yin e Yang dentro de nós. Esta figura da alquimia é muito parecida com Ida e Pingala.


Chacras da Dualidade

Dentro do sistema de chacras, existem alguns mais ligados à dualidade.

O Segundo chacra ou Svadhistana está diretamente ligado à dualidade por ser o chacra sexual, das energias masculina e feminina.



O chacra frontal são os dois olhos que são ainda dualidade, como já visto em "Unicidade e Dualidade - Parte I". Ao resolver a dualidade, chega-se ao terceiro olho, acima dos dois olhos, ligado ao chacra coronário e à pineal, a conexão divina, a unicidade.


O décimo chacra, segundo a "Tabela dos 22 Chacras", é o correspondente ao terceiro chacra na quarta dimensão e abre quando estamos com as polaridades masculina e feminina perfeitamente balanceadas.

Sentido de Rotação dos Chacras

Os chacras quando rodam no sentido horário obedecem à energia Yang ou masculina. Emitem energia. Quando a pessoa emite energia, pode curar outras pessoas. No entanto, se estiverem negativas, se vier do chacra solar, podem agredir uma pessoa e ferir.


Os chacras quando rodam no sentido anti-horário obedecem à energia Yin ou feminina. Captam energia. A captação de energia quando usada de uma forma positiva serve para sentir a energia do ambiente e das pessoas. Os curadores podem precisar captar a energia da pessoa num primeiro momento e depois emitir energia para curar. Se usado de forma negativa, pode ser usado para sugar a energia em vampirismo energético.

Os Chacras e os Elementos

Os chacras tem correspondência com os elementos já vistos em "Unicidade e Dualidade - Parte I".

O primeiro chacra ou básico corresponde ao elemento terra.


O segundo chacra corresponde ao elemento água.
O terceiro chacra corresponde ao elemento fogo.


O quarto chacra corresponde ao elemento ar.
O quinto chacra corresponde ao elemento éter.

CONTINUAR EM:


VOLTAR PARA:
UNICIDADE E DUALIDADE

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

A Revolução e os Zen Noção

A Revolução e os Zen Noção
(Por Mestre Shifu)

Bom dia, Neo. Acorde, Neo ("Wake up, Neo").


A sua jornada está apenas começando.


O mundo de hoje está mergulhado num sistema de crenças, como se fosse uma Matrix que comanda o subconsciente das pessoas.


As pessoas parecem formatadas em seus subconscientes com crenças antigas do mundo da dualidade.

As pessoas vivem para seguir um padrão de normalidade. Estão doentes de Normose.


As pessoas tem medo de serem diferentes. Pensam que se são diferentes estão usando um terno roxo com bolinhas amarelas.


Estas pessoas muitas vezes não são nem elas mesmas por precisar fazer tudo o que a sociedade diz que façam. Seguem tudo o que os outros dizem ser o padrão da pessoa feliz ou pessoa de sucesso. Parece que ao nascer, compram o "Kit da Felicidade" (Em inglês, "felicidade" é "happiness").


No entanto, você, Neo, está aqui para sair da Normose.

Para isto você teria de fazer uma revolução? Sim, de certa forma. Mas para fazer uma revolução, você precisa saber o que é ser um líder e como se portar no meio da multidão.


Suponha que você tem uma ideia brilhante que é revolucionária e que vai melhorar a vida de muita gente. Por exemplo, você inventa um remédio que cura uma doença quase incurável, porém a indústria farmacêutica já tem vários remédios no mercado que causam muitos efeitos colaterais e o seu remédio cura a doença e não causa efeitos colaterais. Esta ideia tem inimigos porque aqueles que lucram com o estado atual não vão querer mudar. A indústria farmacêutica não vai querer abrir mão do lucro que já tem com seus remédios que não curam e perpetuam a doença para ganhar mais dinheiro. E pode ser que você até corra risco de morte. O melhor é patentear o remédio e lançar apenas quando for oportuno.


Certamente eles vão perguntar dentro de uma revolução, quem são os líderes. Dirão que é uma revolução caótica, sem ordem porque não tem líderes. Assim vão querer enganar você dizendo que a revolução precisa de líderes, para que eles se exponham. Porém, você precisa saber de uma coisa.

Se você colocar a cabeça para fora da multidão, vão querer cortar a sua cabeça.


Lembre-se de diversos líderes que foram assassinados pelo Sistema. Jesus Cristo. Gandhi. Martin Luther King e tantos outros líderes negros. Lennon. Tiradentes.

Pois este é o Sistema. Tudo o que está dentro do Sistema vai reagir contra você.


Não importa o quanto suas idéias são maravilhosas e para o bem, eles vão resistir. Eles irão contra suas ideias, dirão que tudo o que você faz é errado. Isto faz parte do ciclo da mudança. Aqueles que se acomodaram não querem acreditar que existe algo melhor. A mudança faz parte do terceiro chacra, do chacra solar, que lida com a vontade, a raiva e a frustração; portanto, mexer com este chacra pode provocar a raiva das pessoas.

Depois de passar por este processo, chegará o dia em que estas pessoas vão começar a fazer o mesmo que você depois de experimentarem e verem que o que você faz é mais eficaz do que o que eles faziam.

No entanto, muitas vezes até que isto aconteça, se você fizer uma revolução aberta com confronto batendo de frente, você pode morrer.

Até a mudança acontecer, como agir?

Pense nas situações que você precisa mudar. Pense no tabuleiro de xadrez. Pense nas estratégias que você pode usar.


É claro que nem tudo é perfeito e direito como se pode pensar.

Primeiro quase sempre vão os peões na frente. Tudo o que aprendemos no começo vem por tentativa e erro, se não existirem instruções.

Os peões seriam como as pessoas sem noção. Todos nós já fomos sem noção alguma vez na vida. Eles possuem algumas características que podem nos confundir com os líderes e os revolucionários.

Os Zen Noção

Quem são os Zen Noção?

São pessoas que simplesmente não tem noção do que estão fazendo. Eles não sabem que o que fazem irrita muita gente. Podem estar até fazendo algo revolucionário e contra o sistema, mas não tem ideia de que estão incomodando.

Eles são Zen porque estão como que num estado Zen meditativo de calma no meio do caos que provocaram, sem a mínima ideia de que todos em volta querem matá-los.


De uma certa maneira, eles são um pouco "inocentes", tem um coração puro.

Tem um ar de "coragem" porque simplesmente não sabem do perigo que os espreita. Eles vão de peito aberto para virar tauba de tiro ao álvaro.


Dependendo do nível e da quantidade de inimigos, pode ser um massacre como se fossem os soldados no front do "Dia D" chegando na praia para serem mortos por metralhadoras apontadas para os barcos que se abriam.


Apenas depois deste tipo de experiência, ficamos mais atentos e percebemos antes de agir. Nossa vida já não é mais um livro aberto. Como na música "Live And Let Die".

"Live And Let Die" ("Viva e Deixe Morrer") de Paul McCartney interpretada por Guns N´Roses


Quem é o inimigo? Onde ele está e como podemos evitar um confronto? Será que é possível nos desviarmos dos tiros?


Será que é possível parar os tiros?


O Tabuleiro de Xadrez

Seu objetivo é proteger o Rei que seria sua ideia central e levar esta ideia para outras pessoas que estejam dispostas a mudar.


Você precisa traçar uma estratégia para que isto ocorra com segurança. Afinal, você está no jogo de xadrez como uma peça.


Com as torres, você olha de longe, ainda do seu castelo onde está o inimigo. Se ele está para atacar. Quem é ele? Como ele se comporta? Lembre-se que as torres são altas e servem como posto de observação. A primeira coisa é observar o ambiente. Onde você está? Como as pessoas se comportam? O que as faz irritadas, o que as agrada, quais são as regras?


Dependendo de como for, você pode ser você mesmo. Se for um lugar de batalha, precisa ser discreto. Não revelar suas coisas e suas ideias mais importantes e você precisa aprender a se adequar ao lugar. Se necessário, use um disfarce. Aja como um agente secreto.

Os bispos são suas crenças tanto positivas quanto negativas. Comece por retirar suas crenças negativas e saiba como retirar as crenças negativas das pessoas em volta.


Os cavalos são montados por seus cavaleiros e eles são os que "atacam" mais diretamente. São o veículo das suas ideias. O melhor veículo é o seu comportamento, as suas ações no dia a dia. É assim que a confiança é construída.


A Rainha é uma peça fundamental e pode andar por todo tabuleiro por conta de seu amor pelo Reino. Porém precisa ser guardada pelas outras peças. Ela pode descobrir quais são os desejos do povo e do adversário.


A melhor estratégia não é destruir o inimigo, no entanto. Neste jogo, para fazer o xeque mate, a melhor estratégia é procurar dentro da multidão os que estão dispostos a mudar. Não é fazer  uma revolução destruidora. Com calma, com paz, amor e luz. Leve a ideia ao coração das pessoas e assim a revolução será feita, de pessoa para pessoa, um a um.

Quando você menos esperar, uma multidão de pessoas foi mudada. E eles serão o seu exército. O exército que começou como o exército de um homem só no difícil exercício de viver em paz.


segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Os Novos Contos de Fadas e a Nova Consciência

Os Novos Contos de Fadas e a Nova Consciência

Era uma vez ("Once upon a time"), num reino muito, muito distante daqui...


Quem nunca ouviu um conto de fadas quando criança? Chapeuzinho Vermelho, A Bela Adormecida, Branca de Neve e os Sete Anões, Rapunzel, Pinóquio... Todas estas estórias fazem parte do imaginário das crianças que somos eternamente e como parte do imaginário, faz parte também do nosso subconsciente e do inconsciente coletivo. E se faz parte do subconsciente e do nosso inconsciente coletivo, segundo Jung, influencia diretamente em nossos processos psicológicos e emocionais.


Mas será que estes contos de fadas refletem a realidade ou será que foram criados para moldar o nosso inconsciente coletivo? Ou será que os contos de fadas representam nosso inconsciente coletivo mais antigo?

Os velhos contos de fada repetem os mesmos padrões de uma sociedade medieval, afinal foram criados nesta época seja pelos Irmãos Grimm quanto por Hans Christian Andersen. Estes contos falam do mundo de dualidade, desta mentalidade que tem dominado esta era de Ferro. Para entender a dualidade e a unicidade, leia o artigo "Unicidade e Dualidade - Parte I".

Nos contos de fadas existe sempre um reino governado por um Rei e uma Rainha benevolentes. A Princesa é sempre a mocinha passiva e servil, sempre na posição de vítima de todas as maldades da bruxa má, que tem poderes mágicos e ou é uma madrasta vingativa e ciumenta ou é uma fada que não tem suas oferendas cumpridas. Ela está sempre em um castelo numa torre guardada por um dragão feroz. O Príncipe é sempre o arquétipo do perfeito cavaleiro destemido que banca o herói e consegue salvar a Princesa e herda o Reino.


O Rei e a Rainha seriam os arquétipos mais elevados do masculino e feminino Animus e Anima de nosso inconsciente. Sábios e mais velhos, benevolentes.



A Princesa é o feminino Yin passivo que espera pacientemente na torre do castelo.


Seu herói é o Príncipe Encantado que é o masculino Yang agressivo e de ação.


A bruxa má, o feiticeiro do mal, a madrasta vingativa sempre dão o tom de desafio a ser superado e o dragão seria como o nosso Ego (no sentido de instintos animais mais primitivos e destrutivos, como a parte reptiliana que existe dentro de nós) que deve ser vencido para chegar até a torre do castelo onde está a Princesa e onde ocorrerá a união entre os princípios Masculino e Feminino em harmonia, a dualidade chegando ao conceito de unicidade, que seria atingido através do amor romântico, da união de duas partes do espírito (a energia Yin e a energia Yang). Mas neste caso, o amor romântico era apenas a simbologia de que o amor (no geral) é a força que consegue resolver os processos da alma.


Algumas vezes estes heróis recebiam a ajuda de um mago, uma fada madrinha para conseguir vencer os bruxos do mal que seriam os nossos pensamentos negativos.


Vistos deste ponto de vista Junguiano, os contos de fadas antigos refletem nossos processos psicológicos de uma maneira muito simplificada.

Se as pessoas conseguissem compreender os contos de fadas desta maneira, entenderíamos que são processos internos nossos dos aspectos emocionais e espirituais.

A Sociedade Antiga e os Contos de Fadas Antigos

No entanto, a sociedade como que numa catarse coletiva, tem se portado como se fosse o próprio inconsciente coletivo em partes desde a época medieval até a pouco tempo. Sem perceber que se uma pessoa assume apenas uma parte dos arquétipos dentro de si (uma mulher que obedece aos padrões passivos impostos pela cultura machista ou um homem que obedece a esta mesma cultura se coloca em um padrão agressivo sempre) sem conseguir compreender que dentro de si existem as duas forças Yin e Yang (o feminino e o masculino sagrados), a resolução da unicidade não consegue ocorrer.

É como se as pessoas vivessem desmembradas dentro de si mesmas.

As mulheres de antigamente deviam ser donas de casa passivas que obedeciam aos seus maridos, não podiam trabalhar fora, faziam os trabalhos de casa e cozinhavam, cuidavam dos filhos e faziam trabalhos manuais. As mulheres precisavam ser sensíveis e emotivas, frágeis donzelas sempre em perigo, as eternas princesinhas aprisionadas na torre dona de casa com filhos, seguiam um padrão impecável de beleza. Eram a expressão da energia Yin apenas.


Os homens de antigamente eram os provedores que trabalhavam fora e traziam o ganha pão. Precisavam ser agressivos para conquistar, ter mais do que os outros. Não podiam se aventurar a fazer o que era considerado "trabalho de mulher", como cozinhar, arrumar a casa e cuidar de filhos. Não podiam demonstrar emoções, não podiam chorar e nem demonstrar fragilidade. Precisavam ser os heróis sempre potentes e viris, os eternos príncipes valentes e precisavam se encaixar nos padrões de beleza. Eram a expressão da energia Yang apenas.


Os pais dos Príncipes e Princesas, os Reis e Rainhas eram sábios e infalíveis e sempre estavam em harmonia.

Aqueles que lidavam com os processos espirituais, os que eram considerados bruxos e bruxas, os feiticeiros, magos e fadas, recebiam este papel do mal ou do bem (da criação e da resolução dos processos psicológicos). Os processos psicológicos sempre tiveram uma conotação sobrenatural por conta dos homens não terem o hábito de entrarem dentro de si para receberem a cura em todos os níveis. Todos procuravam os curandeiros para curar ou os feiticeiros para lançar um feitiço ou uma macumba em cima dos outros. A responsabilidade dos pensamentos positivos ou negativos estava sempre nos outros, neste caso nos que saberiam manipular a força das palavras e dos pensamentos, além das energias da natureza.


O amor romântico seria considerada a única forma de amor verdadeiro, o último fim da existência de uma pessoa.

Estas pessoas ligadas a este mundo de dualidade extrema tinham ou tem muita dificuldade de resolver seus processos psicológicos de maneira mais calma e segura, caindo sempre nas armadilhas dos opostos sem conseguir sair da dualidade, pois eles eram apenas uma das partes das energias e pouco compreendiam da energia oposta por não se permitirem agir como a energia oposta, precisavam sempre fazer uma guerra entre os dois opostos.

Este seria o mundo da dualidade se tudo fosse realmente perfeito. No entanto, a verdade não era e nem será como este mundo de dualidade que disseram ser perfeito.

Todos nós sabemos que os pais, representados pelos Reis e Rainhas dos contos de fadas, erram também e por isto também precisam ser perdoados e amados, nem sempre estiveram em harmonia e também aprendem muito com seus filhos. Reis e Rainhas como pais não são perfeitos e algumas vezes se tem vícios e problemas de caráter estão longe de serem exemplos de conduta.

Reis e Rainhas da vida real, das famílias reais medievais tem em seu currículo familiar uma série de crimes hediondos e foram ambiciosos, invejosos, assassinos e ladrões para tomarem as terras, os bens das pessoas e a liberdade das mesmas. Muitos até escravizaram povos e etnias inteiras. Destruíram florestas e extinguiram espécies de animais e plantas ao redor do mundo.


A verdade é que o homem de antigamente como o tal Príncipe Encantado ao subjugar a mulher e fazer que ela dependesse dele financeiramente por completo, fez com que ele se entregasse ao orgulho e ao egoísmo, muitas vezes abusando deste poder por pensar que a mulher nunca o deixaria por depender totalmente dele. Assim muitos homens batiam em suas esposas, cometiam abusos psicológicos, recusavam-se a enxergar seus defeitos e se colocavam como superiores às mulheres em tudo. Com esta atitude de tudo poder por ser o senhor absoluto, se entregou aos prazeres da carne e da bebida de modo abusivo e a mulher deveria aguentar e aprovar tudo isto como se fosse normal. Este homem antigo paralisou sua caminhada espiritual em seu orgulho e egoísmo para assegurar sua superioridade sexista se aprisionando cada vez mais no mundo material.


A mulher de antigamente que vivia como a Princesa eterna Amélia dona de casa dependente do marido via seus sonhos de se realizar profissionalmente e de se aventurar pelo mundo sendo reprimidos. Deixava seu marido ser abusivo e ao ser abusada se maltratava internamente. Era reprimida sexualmente e as que saíam deste padrão eram excluídas como prostitutas. As que tinham muitos poderes eram comparadas aos homens ou eram consideradas feiticeiras e bruxas. As mulheres antigas eram consideradas praticamente como um bem material, com seus dotes a serem adquiridos pelos maridos ou pretendentes. Elas alimentavam o orgulho e o egoísmo dos seus maridos ao aceitarem seus abusos.


Pobre Cinderela. Acreditou que seria libertada dos trabalhos de casa ao se casar com o Príncipe Encantado. Não avisaram que o conto de fadas da Cinderela estava invertido para a sociedade real antiga? Este era o final do conto!!! Ficar eternamente fazendo trabalhos domésticos aprisionada!!!

Os feiticeiros e magos, as bruxas e feiticeiras, as fadas eram as únicas que tinham poderes mágicos ou mediúnicos e tinham o poder de entrar dentro do mundo interior e manipular as crenças a seu favor ou contra os outros. Muitos eram queimados pela Inquisição e até hoje ainda são mal vistos por muitas religiões pois fogem do controle das mesmas.


E a verdade sobre o amor romântico é que certamente o amor entre um homem e uma mulher pode muito bem não ser um amor verdadeiro, altruísta. O casamento muitas vezes se dá de maneira a servir os interesses materiais dos casais e até para as pessoas terem a aceitação da sociedade e dizerem que são felizes e realizadas. Quantos golpes do baú acontecem? Quantos casos de abuso acontecem? Filhos se tornam troféus para serem exibidos para a sociedade e se não servem a este propósito são excluídos e rejeitados. Quantos casamentos foram realizados apenas porque existiu uma gravidez indesejada?


Acredito que todos saibam do que aconteceu depois deste casamento de conto de fadas.


E ainda tem gente que gasta mundos e fundos em casamentos para depois de um ano ou dois se separarem.

Todos estes indivíduos formatados pela sociedade antiga também possuíam ambas as energias Yin e Yang (feminina e masculina) dentro de si, porém eles as reprimiam e assim o desequilíbrio se instalava e nunca era resolvido.

E Viva A Nova Consciência

Os contos de fadas modernos estão desconstruindo estes estereótipos que as pessoas incorporaram como formato de vida. Eles dão para as pessoas o senso de que as energias masculina e feminina estão dentro de cada um e que cabe a cada um individualmente equilibrá-las. Eles retiram a idéia de que as pessoas precisam ser perfeitas e precisam obedecer ao padrão estético e vivem uma vida perfeita e são perfeitamente educados.

Começando pela série de animação do ogro Shrek. A história de Shrek é o inverso dos contos de fadas. Os mocinhos da história são ogros e preferem permanecer ogros a voltarem a ser príncipes e princesas lindos e perfeitos. O padrão estético é quebrado em prol do que é mais verdadeiro, da essência verdadeira das pessoas comuns.


Eles não são educados e limpos, soltam gases em casa, preferem viver em uma casa comum a ter um castelo e serviçais. Renunciam ao cargo de Rei e Rainha para serem apenas cidadãos comuns.


Vemos Shrek ajudando Fiona a trocar fraldas como um pai moderno que não se nega a entrar na cozinha e nem a assumir papéis que antes diziam ser femininos.


E vemos Fiona e as Princesas dos contos de fadas lutarem como guerreiras, com seu lado da energia Yang masculina vindo à tona.


É a primeira vez que o Príncipe Encantado vira um vilão e a Fada Madrinha também.


A partir de 2010, a Disney começou a produzir uma série de animações das princesas que colocam-nas não mais como meninas frágeis e indefesas, da energia passiva (Yin). Agora as princesas possuem tanto a energia Yin quanto a energia Yang dentro de si e não dependem dos homens para conseguirem o que querem.

Enrolados é outra animação da Disney que adaptou para os tempos modernos o conto de Rapunzel. É talvez a primeira princesa da Disney que quebra com o padrão antigo da princesa passiva e frágil para ser uma princesa que vence a prisão da torre e tem poderes mágicos próprios (do seu cabelo). A imagem do príncipe é desconstruída e neste desenho ele não é um príncipe, é um ladrão comum que aparece apenas para fazer com que Rapunzel tenha um pretexto para sair da torre sozinha.


Valente entra no universo dos celtas antigos e lembra os elementais e a Wicca, a magia celta moderna. Merida é uma princesa que também não é frágil. Ela mesma é destemida e maneja o arco e flecha como ninguém. É uma mulher guerreira.


Frozen, adaptação de "A Rainha da Neve" fala da história de duas princesas irmãs corajosas e destemidas. Elsa possui os poderes mágicos como se fosse uma fada, incorporando dentro de si o poder mediúnico das fadas e bruxas, além de possuir dentro de si também a energia  Yang.


Anna já não é também uma princesa frágil e dependente, mesmo sem os poderes da irmã luta ativamente para conseguir seus objetivos.

A imagem do príncipe bonzinho que salva a princesa cai por terra quando Anna conhece Hans que na verdade é um príncipe ambicioso e interesseiro e queria casar com ela apenas para conseguir ter um reino.


Sven que é um homem do povo e trabalhador, cheio de defeitos e fora do padrão de educação formal, acaba por ser mais verdadeiro e até sensível. Há uma parte do filme em que ele diz que tem vontade de chorar ao se emocionar ao ver a beleza do castelo que Elsa construiu. Anna diz a ele que ele pode chorar que ela não terá preconceitos quanto a isto. É um homem que possui a energia Yin dentro de si não reprimida.

Nem Elsa e nem Anna são salvas pelo beijo do Príncipe Encantado. Elas são salvas por encontrarem o amor próprio e o amor familiar entre irmãs e Elsa aprende que ao controlar seus sentimentos para o amor, pode controlar também seus poderes mediúnicos de telecinese (a dobra da neve, a criocinese, telecinese da neve). O amor romântico já não é mais o único amor verdadeiro e nem o último fim da existência humana.


Assim somos nós verdadeiramente. Seres com ambas as energias Yin (feminina) e Yang (masculina) dentro de nós, com poderes mediúnicos e de manifestação nas nossas vidas, responsáveis pelos nossos pensamentos positivos e negativos com os quais plasmamos nossa realidade e com os quais podemos tanto destruir como construir e curar. Cabe a nós mesmos buscar o equilíbrio e resolvermos nossos conflitos internos sem reprimir uma energia ou outra.

Malévola conta a história da Bela Adormecida antiga porém desconstrói a imagem do Rei bonzinho, sábio e benevolente e mostra a realidade dos reis antigos que conquistavam terras e eram ambiciosos, invejosos, ladrões e assassinos, destruidores do meio-ambiente. Além disso, mostra como os sábios místicos antigos (os feiticeiros, bruxos, fadas) podiam trabalhar seus poderes e controlá-los através dos sentimentos e do amor. Esta também não é uma história onde o príncipe salva a princesa. É uma história que fala sobre a realidade dos reinos antigos e da relação dos homens com a Natureza e os elementais (pois Malévola era a Rainha das Fadas do lugar onde ela habitava) que era abusiva, com os homens querendo ser ambiciosos e inescrupulosos a ponto de pensarem em destruir a natureza apenas para obter tesouros.


E assim incorporando dentro de nós o espírito dos Novos Tempos, podemos ser mais felizes. Podemos desfrutar da libertação de padrões da dualidade. Podemos assumir nossa responsabilidade pelos nossos atos e pela criação da nossa realidade. Podemos pensar novamente em como nos relacionarmos com a Natureza e o meio-ambiente, pois nós somos parte dela e não adversários ou parasitas como muitos tem se comportado.

E Viva a Era de Aquário!!!