terça-feira, 11 de agosto de 2015

A Próxima Vítima Pode Ser Você

A Próxima Vítima Pode Ser Você

Oh, vida, oh azar...



Vitimização - O Que É?

Vitimização... Todos nós já pensamos um pouco como vítimas. É aquele sentimento de que nos fizeram mal e fomos magoados, tendo ou não raiva de quem nos magoou mesmo que já tenha sido curada. Sim, este sentimento já chegou até você. Você pode até negar. Mas mesmo que você diga, "Eu não me sinto como vítima, até acho que os outros tem inveja de mim", este pensamento pode refletir que você pensa que é uma vítima da inveja alheia. Se não chorou ou se encolheu, se já teve raiva e atacou, esta raiva também é um pouco de vitimização.



Pode ser que você já tenha se curado disto. Mas não condene quem ainda está neste estado. Eles podem se recuperar. Muitas vezes são situações resultantes de abusos muito graves.

Algumas vezes a crença de vitimização está mais visível e é detectável. Faça este teste para verificar se você tem a tendência a se vitimizar.

Você tem tendência a se vitimizar?

Outras vezes são crenças escondidas que nem percebemos que nos levam à vitimização e nos afasta do que podemos alcançar de maneira mais nobre e potencializada.

São crenças que só mesmo fazendo testes mais profundos (como o teste muscular da cinesiologia) podemos detectar. Afirmações como:

Nasci para sofrer.
Sempre acontece alguma coisa errada comigo.
Tudo dá errado.
Ninguém gosta de mim.
Deus está contra mim.
O Universo está contra mim.
Eu nunca consigo o que quero. 
Os outros sempre conseguem tudo e eu não.
Sou pior do que todos os outros.
Eu não sou capaz.
Eu sou inútil.
Eu sempre falho.
Eu sempre faço alguma coisa errada.
Eu sou um desastre.

Não há felicidade plena.

Para chegar a Deus, eu preciso ser mártir e sofrer.

Eu sou vítima de psicopatas.
Eu sou vítima de aproveitadores.
Eu sou vítima de malandros.
Eu sou vítima de enganadores.
Eu sou vítima do governo.
Eu sou vítima de políticos.
Eu sou vítima dos Illuminati.
Eu sempre sou perseguido.
Eu sou vítima de doidos.
Eu sou vítima de ladrões.
Eu sou vítima de pessoas invejosas.

Eu preciso ser forte e por isto preciso passar por dificuldades para provar isto.

Entre tantas outras crenças que são particulares para cada um.

Os vitimizados fazem drama para tudo. Adoram ser personagens de novelas tristes e de filmes sofridos na vida real. Parece que tudo vai dar errado. Eles sempre olham para o lado ruim das coisas. Parece que adotaram o mantra do Hardy, a hiena do desenho animado, "Oh, vida, oh azar..."



Ver o que há de errado dependendo do que seja e de onde a pessoa esteja, realmente é uma verdade. No entanto, é importante a pessoa aprender a ser pró-ativa em todas as circunstâncias. E isto é apenas mais um aprendizado.

Rejeição, Negligência e Abuso

Tudo começa no jogo da separação. Separamos do todo, da energia primordial e isto é a primeira "rejeição" que sofremos. Alguns até guardam ressentimentos disto.

Mas o mais grave são sentimentos de rejeição desde antes do nascimento ou dos próprios pais.

Este sentimento de rejeição, que é doloroso (por vezes é até dor física mesmo) pode atrair outras situações de abuso, até muito cedo na vida. Abusos cometidos durante a infância, seja por familiares ou pessoas de fora da família, são muito graves.

Uma criança que cresça ouvindo que por ser amada os pais batem ou abusam, vai associar o afeto a pessoas abusivas.

Geralmente estas pessoas podem crescer com a dor do abuso mesmo que inconsciente e isto pode criar um medo de que o abuso vai acontecer novamente. O medo por ser um pensamento acaba por atrair outras pessoas abusivas ou situações abusivas e de rejeição.

De acordo com a gravidade da situação, pode ser que a pessoa até atraia situações onde ela é o bode expiatório ou mártir.

Outras vezes, se os pais acham que são fracos e não conseguem se sentir bem num meio (que pode ser muito agressivo e cruel), eles podem cobrar dos filhos que sejam fortes. E isto pode resultar na atração de diversas situações de sofrimento na vida dos filhos, para que eles provem esta força.

O ideal é que exista o aprendizado, não necessariamente o sofrimento.

Toda esta rejeição anda junto com o ressentimento e o remorso. Como já descrito em "Como Limpar as Mágoas". Por estar junto com o remorso, o remorso é a culpa e a culpa leva a um sentimento de não merecimento. E este sentimento faz com que a pessoa pense que nunca merece coisas boas ou que para conseguir o que quer, tem que sofrer muito ou que vai acontecer algo de errado.

Quando os abusos são muito sérios, a pessoa tem a tendência de achar que é culpada, principalmente se é algo que está dentro da família. Isto é descrito em livros sobre abusos de toda sorte, na infância. Crianças e pessoas desacompanhadas ou fisicamente desavantajadas em face a pessoas fisicamente afrontadoras não tem como se defender nestas situações.

Nestes casos, a terapia é muito necessária e a pessoa precisa aprender a se cuidar e a gostar de si mesma. E precisa também curar a dor resultante destes tipos de abuso. É muito necessário o afastamento do abusador. É importante fazer terapia e as terapias alternativas podem ajudar a diminuir as dores resultantes de todo este processo. Procurar grupos de auto-ajuda em casos de disfunção familiar por drogas e álcool é muito importante (ver Al-Anon, Nar-Anon, AA, NA).

É muito importante recuperar a auto-estima e ter a certeza de que existem pessoas apoiando e guarnecendo. Curar a criança interior é muito importante.

Uma nota particular, do jeito que as coisas estão neste país em relação à justiça, há que se perguntar se dá para contar com certos recursos.

Algumas seitas e religiões infelizmente ainda incutem culpa e medo nas pessoas de maneira que algumas vezes se constituem até de abuso. O medo e a culpa fazem com que as pessoas pensem que não são merecedoras e portanto viverão sempre temendo o pior. Principalmente se se desligarem da seita ou religião que diz que detém a salvação.

A Desconfiança e a Paranóia

São exacerbações do medo de acontecer o ataque de novo. Alguns lugares onde certos crimes prevalecem fazem com que as pessoas vivam em um estado constante de desconfiança e medo dos outros.

Medo de ser enganado, passado pra trás. Medo de assaltos e ladrões em casa. Então vemos as casas todas cercadas, por vezes até com cercas elétricas.

Ao andar na rua, a pessoa olha 360 graus com a cabeça tipo uma coruja para ver se tem alguém perigoso por perto. O dinheiro é colocado dentro do sutiã, da cueca, da meia, do sapato.

O medo vai tomando conta da vida da pessoa, que pensa que pode ser vítima do que quer que seja.

Perceba que muitas leis são feitas para evitar de antemão que as pessoas desrespeitem as outras ou queiram tirar vantagem. Como levar a carteira de identidade em prova de vestibular, pois tem gente capaz de escalar outra pessoa para fazer a prova e passar. Isto tudo é o resultado da mente das pessoas que ainda se porta desta maneira desonesta e malandra.

Quanto tempo ainda falta para as pessoas perceberem que a nossa sociedade está muito doente e até pouco tempo atrás a malandragem ainda era considerada coisa boa.

História das Vítimas e dos Algozes

Algumas vezes, os próprios algozes sofreram abusos e negligência e reagem de maneira violenta ou abusiva por não saberem como agir de outra maneira. Hoje em dia há o bullying, que nada mais é do que o abuso com nome novo.

"Manhê, sabe o que me aconteceu, manhê, o Tonico me bateu..."


Todas as pessoas já sofreram alguma rejeição e até abusos. É claro que alguns já sofreram mais do que os outros. E é claro que não é por isto que as pessoas teriam de aceitar serem abusadas e nem por isto os abusadores não teriam de sofrer algum tipo de punição para aprenderem.

E muitas vezes a própria vítima já foi algoz de outras pessoas mesmo sem saber.

Pela existência da lei do carma (que seria repetir aquilo que você precisa aprender até que você aprenda e pare de agir de tal forma), pode ser que a pessoa que é vítima hoje foi algoz em outra vida ou mesmo nesta.

Se aprendermos a compreender que o algoz existe apenas para nos fazer aprender algo, temos mais condições de nos desprendermos do rancor e do ódio.

Pessoas Tóxicas à Sua Volta

Se ainda existem pessoas tóxicas à sua volta, sendo ou não próximos a você, pergunte-se, por que você as atrai? Veja em "Receita de Detox de Pessoas Tóxicas".

Se pensarmos nas situações injustas e nas confusões que existem em todos os setores da sociedade, dá para perceber o quanto todos nós ainda estamos presos em diversos esquemas de vitimização.

Estas pessoas certamente estão perto de você para você aprender alguma coisa. E pode ser que isto seja um indicativo de que você ainda carrega crenças de vitimização.

Curar as mágoas pode ser o primeiro passo importante para você retirar estas crenças de vitimização. É preciso ter humildade para admitir que tem que perdoar e que você não é perfeito para estar tendo este merecimento.

Identificando padrões

Alguns tipos de terapia servem para perceber estes papéis de vítima e algoz. O psicodrama e a constelação familiar são como peças de teatro em que a pessoa encena o drama e percebe seu papel dentro da história.



O eneagrama pode desmascarar a pessoa em seu papel de vítima ou algoz e pode fazê-la perceber os padrões de comportamento reacional.

A arte terapia pode acessar conteúdos do inconsciente profundos que seriam invisíveis de outra forma.

Tipos de vitimização

Existem alguns tipos de vitimização e tudo isto depende de como a pessoa reage e o que ela deve trabalhar e aprender durante o processo de lidar com a ferida original, a separação original que é a mágoa primordial.

Na homeopatia, aprende-se que cada pessoa vem com uma constituição física e mental e isto influi em como a pessoa vai reagir a cada situação que aparece na vida. Cada pessoa tem uma maneira diferente porque cada um veio para aprender algo diferente. É como se cada um escolhesse qual roupa quis usar para interpretar este ou aquele personagem numa peça.

A vítima com baixa auto-estima

Geralmente esta pessoa tem a constituição para ser mais tímida e retraída. Pode ter sofrido abusos sérios que a fazem não conseguir perceber o valor que tem. É importante a pessoa se curar dos abusos e das mágoas e aprender a se cuidar.

A vítima orgulhosa 

Quem reage e tem raiva também pode ter um comportamento de vitimização. O desejo de vingança é um comportamento de vitimização, apenas revestido de orgulho e raiva. Quem deseja se vingar pensa que é melhor do que aquele que agrediu e assim acha que tem o direito de agredir de volta.

Sem querer admitir pelo orgulho, estas pessoas podem ter raiva e revolta contra o mundo, contra a humanidade e podem adquirir ressentimento e remorso. Remorso é culpa e portanto acreditam que não merecem e enxergam como se o universo estivesse contra. Enxergam como se tudo viesse para criar mais raiva e revolta. Estas pessoas já ficam armadas sempre.

Quando estas pessoas despertam ficam bem mansinhas... Mas custam a aprender por conta do orgulho. Podem sofrer muito até que isto ocorra.

A vítima que se aproveita da situação

Existem algumas pessoas que tem atitudes de vitimização, até mesmo com doenças ou somatizações buscando não trabalhar ou buscando a atenção de outras pessoas. Isto pode se tornar um ganho secundário em relação à situação ruim que a pessoa está. A pessoa adquire alguma vantagem. Pode ter hospedagem grátis, pode não trabalhar, pode ter os familiares por perto pajeando, por não conseguir a atenção dos familiares de outra forma mais saudável.

Estes são casos complicados de serem resolvidos e como tudo na vida, depende da pessoa querer se curar. Cabe aos que estão em volta, se puderem perceber e se quiserem sair fora, se afastarem para a pessoa ver que não está agradando com este tipo de atitude e que ela precisa se curar.

A vítima passivo-agressiva

Estas pessoas se utilizam da postura de vítima para agredir outra pessoa. Dizem que estão mal e que não tem isto ou aquilo e que todas estas condições ruins são resultantes das atitudes, dos genes, de tudo o que vem do outro a quem querem agredir.

Estas pessoas precisam se curar das mágoas. É uma outra face da vítima orgulhosa e raivosa.

A falsa vítima


Estas pessoas são os manipuladores, algumas vezes são psicopatas que sabem que não são vítimas coisa nenhuma, muitas vezes são os próprios algozes mas se dizem vítima da vida ou mesmo de outras pessoas. Podem apontar erros dos outros dizendo que os outros são bem piores do que elas, para esconder seu lado de algoz. Na verdade, não estão sofrendo coisa nenhuma. Estão é rindo da cara das pessoas a quem enganam e a quem fazem ter pena.

Como deixar de ser a próxima vítima

Como no jogo de gato e rato, a próxima vítima pode ser você.

É preciso se curar das mágoas, das raivas, dos rancores, dos ódios, dos preconceitos, dos ressentimentos, das culpas. O Reiki, a Cura Prânica, a homeopatia e os florais podem ajudar neste processo. Ver mais em "Como Limpar as Mágoas".

É muito importante curar as crenças de vitimização que podem estar dentro de si mesmo. Há técnicas como o Theta Healing que conseguem detectar estas crenças, assim como o EFT e o Body Talk.

Também é importante aprender a se cuidar e a fazer bem aos outros.  É importante obter ajuda e guarnição das pessoas, obter mais segurança.

Tudo isto faz com que a pessoa, livre das culpas, com mais confiança em si, com mais apoio das pessoas, consiga ter mais sensação de merecimento, o que é o mesmo que fé, a pessoa tem a confiança de que tudo vai dar certo.

Abaixo, alguns vídeos falando sobre o assunto.






Nenhum comentário:

Postar um comentário