quarta-feira, 23 de setembro de 2015

A Água Que Você Consome

A Água Que Você Consome

Como está a água que você consome? Ela vem de reservatórios da sua cidade ou vem de uma fonte do seu terreno, não contaminada?

Esta é uma pergunta muito importante. O corpo humano adulto é composto por 60% de água, a partir de 40 anos de idade de 40 a 50%. O de um bebê no primeiro ano tem mais água ainda, 85%.

Você tem filtro na sua casa?

Antigamente esta pergunta era básica para saber se o indivíduo estava sob risco de verminoses e disenterias, se corria o risco de se desidratar por conta das diarreias .

Hoje em dia, para uma pessoa viver saudável ela precisa de mais do que um filtro comum. Em certos lugares, como o Brasil, ainda precisa de um filtro para retirar o fluoreto da água.

O fluoreto provoca diversas doenças nas pessoas, incluindo câncer, queda do QI, fluorose, problemas renais e ósseos.


NO MEIO HOLÍSTICO

Fala-se mais sobre a glândula pineal.

Este vídeo fala sobre a descalcificação da glândula pineal. O fluoreto faria a glândula pineal se calcificar e assim bloquearia a ação normal da mediunidade.

Mas não é só a mediunidade que fica prejudicada. O sistema límbico é um dos principais afetados, por conta da via do glutamato que o fluoreto atinge. Este sistema é responsável pelas nossas emoções. Além disso, o hipocampo, área da memória, também é altamente afetada.


Neste site, "Como Descalcificar Sua Glândula Pineal", há uma transcrição das informações que esta menina fala.

Isto é uma triste realidade que só reflete a vibração da ganância, do ódio, do poder em cima dos outros, sendo transmitida para a memória da água não somente através de palavras e sons, mas através de substâncias químicas.

NA VIDA NORMAL

O fluoreto já foi banido em vários países. Veja neste site "O Fluoreto na Água" mais detalhes sobre o fluoreto, de onde veio, quando seu uso começou, por que é colocado na água dos reservatórios de alguns países e por que é permitido seu uso pelos dentistas, quais são seus efeitos na saúde.

Nenhum comentário:

Postar um comentário