sexta-feira, 11 de setembro de 2015

A Professora da Alma, a Saudade

A Professora da Alma, a Saudade




Era um carnaval em um retiro espiritual com pessoas muito especiais e lindas. Uma das pessoas veio de fora para o Brasil, uma menina americana.

Falávamos sobre palavras em português e um Mestre muito querido falou sobre a palavra SAUDADE que só existe no português como nome próprio, não como adjetivo ou pronome, ou verbo.

Em todas as outras línguas, a palavra SAUDADE não é bem definida.

Em inglês se diz, "To miss". Um verbo. Uma ação.

Em japonês, há algo próximo que seria a frase "Anata ga inaito sabishii desu." (Eu estou sozinho sem você).

SAUDADE no português é um sentimento único e muito importante e por isto merece ser um nome próprio e não um adjetivo, um verbo que define um período de tempo. Precisa ser a parte mais importante de uma frase.

Tentávamos explicar a importância desta palavra.

Em outras línguas, tentam definir, dizem que é um nome, que seria "nostalgia".

Em francês, é "Nostalgie". Só que nostalgia dá a sensação de perda e tristeza, melancolia.

Em espanhol também se define como "Nostalgia". 

No entanto, nostalgia é mais ligada a uma época, a período de tempo, como nostalgia dos anos 50, é uma idealização de uma época do passado.


A saudade é mais ligada a pessoas e a um momento específico do passado com as pessoas pelas quais se sente amor e afeto. 


Nem sempre a saudade é melancólica. Como Luiz Gonzaga definiu em "Qui Nem Jiló", existe uma saudade melancólica e nostálgica que traz certa amargura por ter mágoa e perda. Parece que a pessoa precisa ainda rever o momento, talvez por ainda ter algo a resolver.




Ele fala de outro tipo de saudade que seria uma relação que já se resolveu, a lição já foi aprendida e a pessoa compreende que já está numa situação boa e que aquela experiência foi um aprendizado feliz e agora neste momento presente a pessoa está mais feliz.

Passamos um tempo pensando nisto, como explicar a importância da saudade?


Então participamos de uma sessão espiritual e ao ver os depoimentos e o choro de saudade de alguns, após reflexão a resposta chegou.

Estamos neste mundo para aprendermos. Aprendemos tudo através de nossa memória. Podemos aprender a fazer contas, a usar a ciência, através de nossa memória lógica e racional. 

Mas como seria tudo frio se fosse apenas isto, se fosse para aprendermos apenas a ciência. 

A alma aprende através de uma memória diferente. A memória emocional. Emoções ruins e emoções boas. Aprendemos a evitar certas coisas ou a entender pelo erro através do sofrimento. 

Mas a saudade... A saudade é diferente. 

SAUDADE é a memória que guardamos dos momentos felizes que vivemos com amor por outras pessoas, é quando aprendemos a amar outras pessoas. É assim que a alma aprende a lição mais importante da vida que é como amar o próximo, através dos momentos felizes que compartilhamos com os outros. Por isto é uma palavra tão importante.

Cada lágrima de saudade é como um diamante de luz do espírito, uma pedrinha de brilhante. Por isto uma das músicas mais lindas de Vila Lobos, "Nesta Rua" ("Se essa rua, se essa rua fosse minha, eu mandava, eu mandava ladrilhar, com pedrinhas com pedrinhas de brilhante para o meu para o meu amor passar...") desperta tanto amor no coração.

É como se nos momentos felizes deixássemos rastros de pedrinhas de brilhante, como no filme Avatar em que de noite ao pisar no chão ele brilhasse com as memórias de amor.



"Assim o principezinho cativou a raposa. Mas, quando chegou a hora da partida, a raposa disse:

- Ah! Eu vou chorar (...)"

Assim é o sentimento tão sublime e tão lindo que traz a união aos homens.

Amor e Luz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário